Home Cidadania Estudantes pró-diversidade são ameaçados de morte na Federal do ABC
intolerável

Estudantes pró-diversidade são ameaçados de morte na Federal do ABC

Alunos temem escalada sem limites da violência. Grupo religioso percorre câmaras de vereadores da região para pressionar pela exclusão do tema dos planos municipais de Educação
Publicado por Camilla Feltrin, do ABCD Maior
10:28
Compartilhar:   
ABCD Maior / reprodução
67131.jpg

Portas, elevadores e paredes da universidade apareceram pichados na última semana

São Paulo – “Viado tem que morrer”, “vai ter homofobia sim” e “viado vai morrer: bala ou aids” são algumas das ameaças escritas nas paredes da Universidade Federal do ABC (UFABC) de São Bernardo, no ABC paulista, que surgiram na última semana e estão aterrorizando os alunos. De acordo com estudantes que não quiseram se identificar, a reação pode ser motivada pela rearticulação do grupo Prisma, uma comunidade acadêmica voltada à promoção da diversidade.

Diante da violência, o estudantes da Federal realizam hoje (26) o ato “Pela diversidade e contra a homofobia”, a partir das 16h, no auditório principal do campus São Bernardo, que tem 3,4 mil alunos.

Por meio de nota, a UFABC garantiu que a autoria dos ataques será investigada. “Ressaltamos que não compactuamos com nenhum comportamento de desrespeito a este princípio básico, e que as ações que extrapolarem discussões respeitosas sobre quaisquer temas serão apuradas e seus autores devidamente responsabilizados”, diz a nota.

O receio dos estudantes é que a escalada da violência termine coma alguma tragédia motivada por intolerância. Um ataque pessoal, inclusive, foi registrado na terça-feira (23), quando uma aluna, integrante do Prisma, foi ameaçada de morte nas proximidades do campus. A jovem relata ter sido atacada verbalmente por um motorista de um carro não identificado, por volta das 16h.

Diante das ameaças, um  Boletim de Ocorrência foi lavrado pelo grupo Prisma e a pró-reitoria da UFABC, também por contas das pichações. O documento acusa injúria, incitação ao crime e dano ao patrimônio. “A comunidade existe desde 2009, mas estamos nos rearticulando nas últimas semanas. Estamos com medo”, disse um aluno que não quis se identificar por medo de represália.

A escalada conservadora no Congresso, com os debates colocados pelo atual presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), um dos líderes da bancada religiosa – como a redução da maioridade penal –, parece ter chegado ao ABC. Para a educadora e historiadora Selma Rocha, a ofensiva conservadora deve ser respondida com aprofundamento do debate.

“Não podemos deixar que uma minoria fundamentalista, que também usa métodos violentos, traga prejuízos ao debate. Essas formas fundamentalistas violentas devem ser superadas com debate democrático. Não adianta colocarmos uma pedra em cima do pensamento crítico e da compreensão da história que levaram a tais práticas tão autoritárias. Mesmo que a questão do respeito à diversidade sexual e de gênero não esteja nos planos de educação, não será possível defender a violência dentro das salas de aula”, disse Selma, ex-secretária de Educação de Santo André.

Religiosos pressionam

A pressão dos grupos conservadores religiosos contra o combate à homofobia nos planos municipais de educação surtiu efeito, desta vez, também em Santo André. Durante a sessão de ontem (25), membros do movimento Eu Sou Família estiveram na Câmara. O projeto da prefeitura, que prevê os temas diversidade e gênero, sofreu diversas emendas dos vereadores para que o assunto seja retirado e acabou sendo adiado.

Parte da bancada do PT é a favor da manutenção dos termos. O vereador Eduardo Leite (PT) é um dos que a defendem, afirmando que existe uma “dificuldade em compreender o projeto”. “O que se fala é somente sobre o respeito à diversidade para evitar qualquer tipo de discriminação. A diversidade não é só sexual, pode ser musical, racial, entre outras”, afirmou.

O vereador Donizeti Pereira (PV) usou a tribuna para defender a alteração e apoiar o Movimento Eu Sou família. “O papel de orientar e formar uma criança é dos pais, e não da escola. O Estado não tem de se envolver na questão comportamental da criança”, disse Donizeti.

Inquisição

O Movimento Eu Sou Família foi criado em 2014. De acordo com o site do grupo, a entidade pretende esclarecer “a comunidade escolar sobre as verdades aprendidas na Bíblia”. O inimigo número 1 do movimento, ainda como aponta o portal, é o “marxismo”, que teria “como alvo central a extinção da propriedade privada” e da “família tradicional monogâmica”.

A organização do movimento religioso pegou de surpresa quem defende a diversidade sexual no ABC e também no Brasil. A comissão que debate o Plano Municipal de Educação de São Paulo retirou da proposta qualquer alusão à diversidade sexual, após protestos religiosos. O mesmo ocorreu em Cuiabá, onde padres apareceram de batina e munidos de cartazes na Câmara local durante a votação. Na Câmara de Fortaleza e também na do Recife, embates entre defensores dos direitos LGBT e representantes religiosos marcaram a discussão, o que de nada adiantou: o tema diversidade sexual também foi retirado.