Home Cidadania Vannuchi elogia decisão de aceitar denúncia contra acusados pela morte de Rubens Paiva
vannuchi

Vannuchi elogia decisão de aceitar denúncia contra acusados pela morte de Rubens Paiva

Analista político da Rádio Brasil Atual reafirma que processos contra agentes da ditadura são o caminho correto para pressionar Supremo a corrigir 'erro' de 2010, quando decidiu proteger torturadores
Publicado por Redação RBA
17:34
Compartilhar:   
Comissão Nacional da Verdade/CC
rubens paiva

Crimes de desaparecimentos forçados, como o de Rubens Paiva, têm natureza contínua e imprescritível

São Paulo – A Justiça Federal no Rio de Janeiro aceitou ontem (26) a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra cinco agentes militares reformados envolvidos, durante a ditadura, na morte e na ocultação do corpo de Rubens Paiva, em 1971. Na visão do analista político da Rádio Brasil Atual, Paulo Vannuchi, a decisão do juiz Caio Márcio Gutterres Taranto, da 4ª Vara Federal Criminal do estado, é um “passo importante” para que o Supremo Tribunal Federal (STF) tenha de rever a interpretação dada à Lei de Anistia em 2010, ocasião em que o órgão considerou que a lei protegia constitucionalmente crimes cometidos por torturadores.

“É o que eu sempre defendi nesse processo para que o Brasil leve adiante a investigação do que houve, dos horrores da ditadura. Isso é, criar ações judiciais, porque é assim que o Supremo vai compreender a necessidade de corrigir o seu erro de abril de 2010. Na época, quando decidindo o recurso da constitucionalidade da Lei de Anistia que a OAB tinha apresentado, o Supremo decidiu errado e resolveu que a Lei de Anistia protege também torturadores”, afirmou Vannuchi.

O general e os coronéis reformados José Antônio Nogueira Belham, Rubens Paim Sampaio e Raymundo Ronaldo Campos e os sargentos Jurandyr Ochsendorf e Souza e Jacy Ochsendorf e Souza serão investigados por homicídio doloso, ocultação de cadáver, fraude processual e associação criminosa.

A Justiça Federal no Rio de Janeiro também aceitou, há duas semanas, a abertura de um processo judicial para investigar o envolvimento de seis militares na tentativa de atentado terrorista ao Riocentro, na véspera de 1º de maio de 1981.

Para tomar a decisão, Taranto e Ana Paula Vieira utilizaram o mesmo argumento defendido pela Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) no julgamento do caso Gomes Lund, em dezembro de 2010. A entidade, integrante da Organização dos Estados Americanos (OEA), considerou responsável o Estado brasileiro ao analisar o desaparecimento, entre 1972 e 1974, de Guilherme Gomes Lund e de outras 61 pessoas na Guerrilha do Araguaia. A avaliação foi de que é improcedente a visão de que o crime prescreveu e de que o Brasil deveria deixar de usar a Lei de Anistia como pretexto para não conhecer a verdade sobre seu passado e não investigar e processar os responsáveis por violações de direitos humanos.

“O ato de desaparecimento e sua execução se iniciam com a privação da liberdade da pessoa e a subsequente falta de informação sobre seu destino, e permanecem até quando não se conheça o paradeiro da pessoa desaparecida e os fatos não tenham sido esclarecidos”, diz a sentença da CIDH. A decisão da Corte foi de encontro à sentença do STF, em 2010, que julgou inconstitucional o recurso da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) sobre a Lei de Anistia, que pedia que o órgão se posicionasse a favor da condenação de crimes cometidos durante a ditadura.

Outras duas denúncias contra agentes militares envolvidos em crimes durante a ditadura também foram aceitas pela Justiça Federal. Em 2012, o MPF solicitou a condenação do coronel reformado Sebastião Curió Rodrigues de Moura e do major Lício Augusto Maciel por crime de sequestro qualificado por maus tratos durante “desaparecimento forçado” de militantes durante a Guerrilha do Araguaia.

Os dois casos foram aceitos pela juíza Nair Cristina Corado Pimenta de Castro, da 2ª Vara Federal de Marabá (PA). Entretanto, a ação penal envolvendo Sebastião Curió foi trancada em novembro de 2013, por decisão da 4ª Turma do Tribunal Regional Federal sob alegação de que o crime teria prescrito. A defesa do major Lício Maciel entrou com pedido de habeas corpus em 2013, mas o caso ainda não foi julgado.