Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2014 / 04 / Senado vai discutir entrada da PF na morte do coronel Malhães

investigações

Senado vai discutir entrada da PF na morte do coronel Malhães

por Douglas Corrêa, da Agência Brasil publicado 29/04/2014 11h29
Daniel Marenco/Folhapress
malhaes_Daniel Marenco_Folhapress.jpg

No mês passado, Malhães admitiu à CNV ter participado de prisões e torturas durante a ditadura

Rio de Janeiro – O presidente da Comissão da Verdade do Rio de Janeiro, Wadih Damous, participa hoje (29), às 11h, da reunião da Comissão de Direitos Humanos do Senado, a convite da senadora Ana Rita Esgário (PT-ES), em que será discutida a entrada da Polícia Federal na apuração das circunstâncias da morte do coronel reformado do Exército Paulo Malhães. No mês passado, o militar prestou depoimento à Comissão Nacional da Verdade, em que relatou ter participado de prisões e torturas durante a ditadura militar. No depoimento, o oficial disse também que foi o encarregado, quando era lotado no Centro de Informações do Exército (CIE),  de desenterrar e sumir com o corpo do deputado Rubens Paiva, desaparecido em 1971.

Durante a reunião no Senado, o presidente da Comissão da Verdade do Rio vai defender a entrada da Polícia Federal na apuração da morte do militar. “As controvérsias em torno da morte do coronel reformado Paulo Malhães alimentam suspeitas em torno do laudo médico no qual a causa mortis é descrita como “edema pulmonar, isquemia do miocárdio, miocardiopatia hipertrófica, evolução de estado mórbido [doença]. Tudo isso é muito estranho. A investigação e a conclusão sobre a morte de Malhães não podem ser baseadas apenas nessa perícia”, alertou o advogado Wadih Damous, presidente da Comissão da Verdade do Rio. “É preciso ouvir novamente a mulher de Malhães, sua filha, o caseiro e outras pessoas.”

Segundo Damous, a morte de Malhães não pode ser vista como um caso comum. “Do meu ponto de vista, pelo passado dele e pelo que representou, o caso deveria ter tido um acompanhamento federal. Não pode ser tratado como mera tentativa de assalto”, disse. “Por isso, defendo que a Polícia Federal acompanhe”, concluiu.–