Home Cidadania Táxis serão proibidos nos corredores de ônibus em horário de pico em São Paulo
mobilidade

Táxis serão proibidos nos corredores de ônibus em horário de pico em São Paulo

Medida atende a exigência do Ministério Público, que ameaçava mover ação contra prefeitura. Por outro lado, será liberada a partir de segunda-feira presença de taxistas em faixas de ônibus
Publicado por Rodrigo Gomes, da RBA
15:01
Compartilhar:   
Alexandre Moreira/Brazil Photo Press/Folhapress
corredor

Taxistas terão horários definidos para usar corredores de ônibus, como o da avenida Rebouças

São Paulo – A prefeitura de São Paulo aceitou determinação do Ministério Público Estadual (MPE) e vai limitar o acesso dos táxis aos corredores de ônibus da capital. Os taxistas não poderão mais utilizá-los no período das 6h às 9h e das 16h às 20h, considerados horários de pico do trânsito. No entanto, poderão utilizar algumas faixas exclusivas em período integral. Segundo o secretário Municipal de Transportes, Jilmar Tatto, a situação será monitorada ilimitadamente e a ampliação ou redução desse acesso dependerá da consequência que trouxer para a velocidade dos ônibus.

Os corredores onde haverá restrição no horário de pico são: Pirituba/Lapa/Centro; Inajar de Souza/Rio Branco; Campo Limpo/Rebouças; Santo Amaro/Nove de Julho; Jardim Ângela/Guarapiranga/Santo Amaro; Capelinha/Ibirapuera; Parelheiros/Rio Bonito/Santo Amaro; Itapecerica/João Dias; e Paes de Barros.

As faixas exclusivas que poderão ser acessadas são as das marginais Pinheiros e Tietê, o corredor Norte-Sul – composto pelas avenidas Santos Dumont, Tiradentes, Prestes Maia, 23 de Maio, Rubem Berta, Moreira Guimarães, Washington Luís e Interlagos –, e das avenidas Indianópolis, Sumaré e Corifeu de Azevedo Marquês. Nessas vias não haverá restrição de horário, mas permanece a obrigatoriedade de o taxista estar transportando passageiro.

A medida passa a valer na segunda-feira (17), acompanhada de orientação por parte da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). A fiscalização com multas só terá início em 14 de abril, pois, segundo o secretário, será preciso um mês para sinalização de todas as vias.

Segundo Tatto, a medida busca equilibrar a situação, sem prejudicar o transporte coletivo e sem penalizar os taxistas. “Nós fizemos o estudo a pedido do Ministério Público e detectamos problemas no compartilhamento das faixas. É fato. Mas o táxi também é importante para a cidade. Então vamos começar com essa nova regra e avaliar os resultados.”

O secretário explicou que a velocidade nas faixas tem sido melhor que nos corredores, por isso a limitação de um lado e a liberação de outro. “O ideal é que a velocidade seja superior a 20 quilômetros por hora (km/h), em média. No momento, as faixas estão perto disso, mas os corredores atingem somente 16 km/h.”

O promotor de Habitação e Urbanismo do Ministério Público, Maurício Ribeiro Lopes, ressaltou que todos os envolvidos tiveram espaço para fazer propostas. Em janeiro ele deu prazo até o final de fevereiro para que a prefeitura retirasse os taxistas dos corredores. Nesse meio-tempo houve conversas com associações que representam o segmento, que argumentaram que uma restrição prejudicaria a cidade. “Todos os questionamentos foram respondidos pelos técnicos. Infelizmente, os taxistas não conseguiram apresentar o estudo deles sobre a velocidade nos corredores. Mas não faltou diálogo.”

Segundo Lopes, a categoria informou que foi pedido um valor pelo estudo muito maior do que a capacidade deles. E que o prazo mínimo para conclusão do trabalho era de cinco meses. “Nós vamos garantir a prioridade do transporte público, sem desamparar absolutamente os taxistas.”

O promotor alertou que não vai aceitar questionamentos judiciais da categoria. “Se eles forem à Justiça, o MP também irá. E daí com a perspectiva de retirar definitivamente os táxis dos corredores”, afirmou.

O vereador Adilson Amadeu (PTB), filho de um taxista e representante da categoria, esteve no anúncio das medidas e pediu que seja feito um esforço para impedir os cerca de dois milhões de veículos irregulares – que têm dividas com IPVA, multas ou seguro obrigatório – de circulares na cidade. “Já que penalizou os táxis também deveria combater a circulação desses veículos”, afirmou. No entanto, ele considerou as medidas melhores do que o esperado, ao abrir a circulação em alguma faixas exclusiva.

A cidade de São Paulo tem 4,5 milhões de usuários diários de ônibus e outros 400 mil nos táxis, com cerca de 40 mil trabalhadores cadastrados.

Tatto disse ainda que pediu aos respectivos órgãos – Executivos, Legislativo e Judiciário – que informem os responsáveis pelos carros oficiais que circulam na cidade, para poder autuar aqueles que infringirem a regulamentação dos corredores e faixas de ônibus. “Ninguém pode entrar na faixa, além dos veículos regulamentados.”

Porém o secretário se esquivou de comentar o andamento, na Câmara Municipal, do projeto de realinhamentos viários, que detalham as ações necessárias nas ruas e avenidas da capital para construção dos 150 quilômetros de corredores de ônibus. “É o tempo da Câmara. Nós fizemos o projeto e eles podem aprovar ou não. É a democracia.” O Projeto de Lei 17 de 2014, já sofreu cinco derrotas em tentativas de aprovação na Câmara e não há perspectiva de quando será votado.