Home Cidadania ‘Cracolândia’ troca Sufoco por Braços Abertos, mas há dúvidas sobre novo programa
Centro

‘Cracolândia’ troca Sufoco por Braços Abertos, mas há dúvidas sobre novo programa

Dois anos após repressão policial com vistas a privatização da região da Luz, em São Paulo, dependentes químicos deixam de ser criminosos e policiais dão lugar a assistentes sociais
Publicado por gisele
20:00
Compartilhar:   
Remoção de barracos na Rua Dino Bueno foi feita desde o começo do dia na região conhecida como 'cracolândia' <span>(Danilo Ramos/RBA)</span>Foi permitido aos moradores levar parte dos pertences aos cinco hotéis para os quais foram levados <span>(Danilo Ramos/RBA)</span>Após a remoção e a limpeza, a GCM ficará de plantão no local para evitar a montagem de novos barracos <span>(Danilo Ramos/RBA)</span>IMG_2207.jpg <span></span>Muita coisa teve de ser deixada para trás pelos moradores, que aceitaram a mudança graças aos hotéis <span>(Danilo Ramos/RBA)</span>A ideia da prefeitura é que os barracos deixem de ser parte do cenário da cracolândia <span>(Danilo Ramos/RBA)</span>Dois anos após a Operação Sufoco, a Braços Abertos tenta ser marcada pelo diálogo com os moradores da região <span>(Danilo Ramos/RBA)</span>A área passa por um processo de décadas de degradação e tráfico de drogas, e agora tenta reverter o quadro <span>(Danilo Ramos/RBA)</span>Equipados com televisão e ventilador, quartos foram atrativo para que moradores aceitassem deixar a rua <span>(Danilo Ramos/RBA)</span>IMG_7382.jpg <span></span>Para seguir no programa, os moradores têm de se dedicar a cursos e se esforçar para abandonar a dependência <span>(Danilo Ramos/RBA)</span>

São Paulo – “Vamos, seu Hélio, você não está se ajudando desse jeito.” A frase foi repetida várias vezes ao longo dos quase trinta minutos em que a assistente social Tuani Bessa tentou impedir que uma confusão maior fosse desencadeada hoje (15) na região conhecida como cracolândia, na Luz. Desde ontem a prefeitura está removendo uma favela instalada nas ruas Helvétia e Dino Bueno e Cleveland. Agitado, Hélio já havia se envolvido em outra briga pela manhã e perambulava desafiando outras pessoas. “Infelizmente, 90% do nosso trabalho é intermediar conflitos. Às vezes, isso até atrapalha desenvolver as outras políticas”, explica a assistente social.

Apesar da tensão pontual, toda a cena vista ontem e hoje na região, famosa pelo tráfico de drogas e pela degradação arquitetônica e imobiliária, era muito diferente da vista há dois anos, quando governo estadual e prefeitura aproveitaram o período de cidade mais vazia para promover a repressão de moradores e dependentes químicos. A Operação Sufoco, mais conhecida como Dor e Sofrimento, tentava abrir espaço para o processo de “revitalização” da região rebatizada pelo prefeito Gilberto Kassab (PSD) como Nova Luz, que seria privatizada e entregue à especulação imobiliária.

Desta vez, a confusão começou porque, depois de dizer que não iria retirar nada de seu barraco, Hélio discutiu com os funcionários da subprefeitura que desmontaram a casa de madeirite com seus pertences dentro. Foi preciso que Tuani conseguisse um carrinho emprestado de outro morador para transportar sacolas de roupa e outros objetos e depois o escoltasse até a tenda do projeto Braços Abertos para concluir seu cadastro, procedimento realizado por todos os que aderiram ao programa.

A operação prevê a hospedagem em um dos cinco hotéis conveniados da região, a contratação para serviço de varrição e zeladoria com carga de 4 horas diárias, mais duas de qualificação e salário de R$ 15 por dia de trabalho e a oferta de três refeições gratuitas – dois hotéis oferecem café da manhã; nos outros, todas as refeições serão realizadas no Bom Prato da Rua Dino Bueno. O serviço é do governo estadual, mas a prefeitura está pagando, através da ONG Brasil Gigante, cada prato servido.

O percurso poderia ter durado três minutos, mas se alongou por conta das inúmeras brigas que Hélio provocou. Outros moradores da região e usuários de crack tentaram alertá-lo para não “arrastar”, gíria correspondente a “prejudicar” na linguagem formal. Mas não adiantou. Com voz firme e às vezes com tom elevado, a assistente social precisou apartar brigas e pedir calma ao homenzarrão, que chegou a trocar socos com um rapaz que tomou as dores pelo atropelamento com a carroça de uma senhora – ela não se feriu. Foi preciso que guardas civis metropolitanos apartassem os dois. Mas, contrariando os conselhos de frequentadores da cracolândia, Tuani não desistiu e entregou Hélio ao cadastramento. “Eles também estão assustados. Para nós, isso aqui é rua, mas para eles é a casa deles”, explica.

Há dois anos, diversos grupamentos da Polícia Militar foram deslocados até a região para sufocar o consumo de drogas, resumidos em boletins eufóricos emitidos diariamente com atualizações sobre o número de abordagens e as quantidades apreendidas. Frequentadores da região eram impedidos de permanecer parados em via pública. À época, bombas de gás e golpes de cassetete foram desferidos contra uma maioria formada por dependentes de crack.

“Quando há diálogo, a aceitação é outra”, afirma a defensora pública Daniela Skromov, que cansou de ver cenas de repressão no mesmo local. Desta vez, no lugar de um tratamento de criminosos, a abordagem era feita a dependentes químicos e moradores de rua, sem que a Guarda Civil Metropolitana e a Polícia Militar fossem chamadas a intervir – embora estivessem ali, ocupavam papel de coadjuvante, e não de protagonistas.

Dois anos depois da Operação Sufoco, sem ter obtido resultado algum, a administração municipal, agora sob o comando de Fernando Haddad (PT) e sem o projeto da Nova Luz como mote, realiza outra operação. “Isso não é uma ação isolada, é uma construção de seis meses. Tudo foi muito conversado”, afirmou a secretária Municipal de Assistência Social, Luciana Temer.

A dúvida, agora, é se os próximos passos da Braços Abertos vão seguir a promessa de tratar uma questão social como uma questão social. Para começar há uma falta de informações detalhadas sobre todo o projeto da prefeitura, que inclui abrigamento em hotéis da região, tratamento de saúde, qualificação profissional e emprego. “Claro que a eficiência disso precisa ser avaliada ao longo do tempo, para garantir que toda ela seja implementada com garantia de direitos, mas essa abordagem inicial é bem melhor do que o que já tivemos”, afirmou Skromov.

De fato, o diálogo realizado antes da remoção garantiu que a população de rua e dependentes de crack dessem um voto de confiança à prefeitura. Mas a expectativa é de que, finda a remoção dos barracos, comece a fase mais difícil. Recolhidos aos quartos de hotel, os participantes do programa terão de enfrentar uma série de desafios, que vão desde a dificuldade de cumprir regras em um espaço com regulamento até o desafio de lidar com dinheiro proveniente do trabalho e o vício.

“Esse dinheiro pode ser o céu e o inferno. Imagina o que eu vou fazer com esse dinheiro se eu não tiver cabeça?”, pondera Miguel Ramos, um dos beneficiários, que vive há 17 anos na rua e há 3 meses na favela. “Mas a minha disposição é aproveitar esse esquema para me fortalecer e sair daqui, sair dessa. O mais difícil vai ser isso aí de morar no hotel, com várias pessoas loucas, cheias de neuroses. Mas é a melhor parte também, ter uma caminha, um chuveirinho.”

A secretária de Assistência Social que os usuários de crack que ficam no chamado fluxo da cracolândia também serão incluídos em uma segunda etapa do programa Braços Abertos. Até o momento, o programa está concentrado em moradores de uma favela montada há três meses nas ruas Helvétia e Dino Bueno. “O pessoal do fluxo não está excluído. Nós estamos fazendo por etapas. Nós temos 400 vagas no programa. Estamos começando agora a conversar uma segunda etapa com as pessoas que estão nas ruas”, afirmou. Há um temor de que, depois que a favela for totalmente removida, aumente a repressão aos frequentadores da região, com foco nos usuários e não nos traficantes.

Após a ação pontual, a prefeitura garante que a Guarda Civil Metropolitana (GCM) seguirá permanentemente com trabalho de congelamento da área, ou seja, terão de evitar a montagem de barracas e colaborar nos flagrantes de tráfico de entorpecentes e outros delitos na região. Cerca de 30 homens farão varreduras a pé e com viaturas motorizadas. A relação com a GCM na cracolândia parece ser mais conflituosa do que com a Polícia Militar. Frequentadores da região afirmam sofrerem agressões.