Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2013 / 08 / Agência de notícias da América Latina pretende promover integração da região

Agência de notícias da América Latina pretende promover integração da região

informação
por Pedro Peduzzi, da Agência Brasil publicado 03/08/2013 18h48, última modificação 03/08/2013 19h01
informação
ebc.jpg

Reunião da União Latino-Americana de Agências de Notícias (Ulan) discute parcerias para troca de conteúdos

Brasília – A forma como a mídia internacional abordou a recusa de países europeus em autorizar sobrevoo e aterrissagem do avião do presidente Evo Morales – por suspeitarem de que a aeronave transportava o ex-consultor norte-americano, Edward Snowden – reforça, para os representantes de um encontro entre agências públicas de notícias de países da América Latina, que a região precisa ter um portal conjunto de notícias produzidas localmente.

Um manifesto conjunto, assinado por representantes de diversas agências públicas de notícias do continente, usa o caso para ilustrar a importância do portal que está sendo desenvolvido pela União Latino-Americana de Agências de Notícias (Ulan).

Uma versão beta do portal (fase de desenvolvimento e testes) anunciado pela Ulan estará no ar a partir de setembro. A previsão é que até dezembro o site já esteja funcionando normalmente, em português, inglês e espanhol. A programação e o desenho do portal foram apresentados hoje (3) na 4ª Reunião do Conselho Executivo da Ulan, na sede da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), em Brasília.

“Será uma alternativa para quem busca informações sobre fatos ocorridos na América Latina, com noticiário produzido pelos próprios países latino-americanos. Atualmente somos apresentados por meio de outros olhares, e a forma como o caso do Evo Morales foi tratado demonstra a visão preconceituosa que as agências de notícias internacionais têm da América Latina. E isso não se pode aceitar”, disse o presidente da EBC, Nelson Breve.

A expectativa da Ulan é que o novo portal registre milhares de acessos já nos primeiros dias de funcionamento, segundo o presidente da entidade, Santigo Aragón. “Será uma mídia alternativa muito forte. Estimamos que, na fase inicial, tenhamos pelo menos 1 milhão de acessos diários, e que esse número cresça ainda mais.”

No dia 2 de julho, França, Espanha, Itália e Portugal não autorizaram sobrevoo e aterrissagem do avião de Morales, quando regressava de Moscou. A aeronave ficou detida por 14 horas em Viena com a suposição divulgada por vários meios de que estava a bordo o ex-funcionário de empresa que prestava serviços à Agência Nacional de Segurança (NSA). Snowden é acusado de espionagem pelo governo dos Estados Unidos.

Inicialmente o conteúdo apresentado será basicamente de imagens e de textos, mas nas etapas posteriores o portal contará com material multimídia. A exemplo do conteúdo veiculado por agências públicas de notícias, a reprodução dos textos será gratuita, mediante crédito às agências originárias da informação.

“Nosso objetivo é informar e promover a integração regional, atentos a temas e agendas importantes para cada país, mas sempre deixando claro que se trata de um portal de notícias, e não de governos”, ressalta Aragón.

Nelson Breve acrescentou que o novo portal permitirá à opinião pública mundial acesso a mais informações. A parceria envolvendo as agências públicas latino-americanas resultará também no intercâmbio de profissionais e em capacitações conjuntas de pessoal. Na reunião da Assembleia Geral da Ulan, prevista para janeiro em Cuba, o projeto será consolidado, com a definição do modelo de financiamento e do conselho editorial do novo site.