Home Cidadania Movimento de direitos humanos pede que ordem para repressão seja investigada
Agressão policial

Movimento de direitos humanos pede que ordem para repressão seja investigada

Para instituição, é inaceitável que Alckmin e Haddad não abram diálogo com movimentos. Agressões contra jornalistas foram para apagar provas de violência policial, diz advogado
Publicado por Sarah Fernandes, da RBA
12:32
Compartilhar:   
Mário Angelo. Sigmapress. Folhapress
mpl_Mario-Angelo_Sigmapress.jpg

“O intuito é incitar os manifestantes para provocarem uma desordem e legitimar a repressão”, diz Ariel de Castro Alves

São Paulo – “A atuação violenta da polícia foi claramente no intuito de incitar os manifestantes para a prática da violência, para que depois ela intensificasse a repressão”, avalia o membro do Movimento Nacional de Defesa dos Direitos Humanos Ariel de Castro Alves, sobre a atuação da Polícia Militar para reprimir os manifestantes no quarto ato contra o aumento da tarifa de transporte público, realizado ontem (13), em São Paulo.

“O intuito é incitar os manifestantes para provocarem uma completa desordem, que pudesse legitimar uma ação repressiva da polícia, tentando dispersar o movimento reivindicatório”, avalia. “O que é preciso ser apurado é se os policiais receberam ordens de seus comandantes para praticar os atos de repressão ou se eles foram isolados. A postura demonstra o total descontrole e despreparo da polícia.”

Durante o protesto, centenas de pessoas foram agredidas pela Tropa de Choque da Polícia Militar, que usou bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha, em uma ação truculenta de repressão. Pelo menos 235 pessoas foram presas, muitas delas sem qualquer motivo aparente, sendo que as prisões começaram antes do início do ato, com batidas policiais no centro histórico da cidade. Ao longo da madrugada, 231 pessoas foram liberadas e quatro permanecem presas por terem sido enquadradas no crime inafiançável de “formação de quadrilha”.

Para Castro, especialista em segurança pública, a ação da polícia foi inconstitucional. “A atuação repressiva começou logo no início, quando as pessoas se concentravam. Nós não vivemos em uma ditadura”, afirmou. “Essa ação, no entanto, fortalece o movimento. Ele vai ganhando adesão. Mas não podemos nos esquecer que essa violência, com tortura e até mortes, ocorre todos os dias nas periferias, com os jovens pobres.”

Pelo menos cinco jornalistas que cobriam o ato foram agredidos, entre eles a repórter da RBA, Gisele Brito. Para Castro, a repressão aos profissionais de imprensa foi uma forma de “tentar acabar com as provas de abusos policiais. Outras pessoas que estavam fotografando e filmando com o celular também foram agredidas. É exatamente para tentar obstruir as provas”. Ele reivindica que o Ministério Público investigue os crimes cometidos pela polícia durante o ato.

“É preciso também que as autoridades estejam abertas para o diálogo. O movimento acabou se tornando um movimento contra o autoritarismo, a repressão e a Polícia Militar. É fundamental que as autoridades abram dialogo e coíbam violência por parte do estado”, avalia. “As afirmações do governador Geraldo Alckmin, que tacha todos os manifestantes como vândalos, acabam instigando a violência. O prefeito também tem que se predispor a dialogar com as lideranças dos movimentos, para não termos mais esse cenários de horror e prática e violência covarde por agentes do estado.”

Mais sobre manifestações contra aumento da tarifa:
>>
Justiça liberta presos da manifestação de terça em São Paulo; um continua detido
>> ‘Foi mais do que truculência policial. Foi tortura’, diz Paulo Vannuchi
>> Sindicato vai pedir que Ministério Público investigue agressões da PM contra jornalistas
>> ‘Repressão ao trabalho dos jornalistas compromete a democracia’, diz deputada tucana
>> Psol critica ‘governantes do prende e arrebenta’ por reação violenta a manifestação em SP
>> ‘Vinagre pode virar bomba’, diz coronel que comandou ação da PM em São Paulo
>> Vai à manifestação de segunda? Saiba qual vinagre faz seu tipo
>> Alckmin aposta na provocação e no ‘quanto pior, melhor’, diz deputado petista
>>
Manifestantes cercados e atacados pela força policial: democracia, só que não
>> ‘PM mirava no rosto’, diz cinegrafista da TVT que tomou três tiros durante manifestação
>> PT de São Paulo condena criminalização do movimento contra tarifa
>> Secretário defende ação da PM em São Paulo e diz que investigará ‘aspectos pontuais’
>> Alckmin não vê truculência da PM e diz que vai apurar ‘excesso pontual’
>> Comandante da PM também participou de agressões, afirma advogado do movimento
>> Associação diz que ataques da PM a jornalistas foram ‘deliberados’
>> ONG denunciará violência policial no protesto em São Paulo à ONU
>> ‘Não houve agressão, houve defesa’, diz Polícia Militar de São Paulo
>> Movimento de direitos humanos pede que ordem para repressão seja investigada
>> Prefeito nega redução de passagem e diz que não vai se submeter a ‘jogo de tudo ou nada’
>> Repórter atingida por bala de borracha nos olhos passa bem
>> Haddad agora diz que violência policial nos protestos contra aumento é ‘lamentável’
>> Autoritarismo da polícia de Alckmin termina com 235 pessoas detidas
>> PM ignora riscos e usa gás lacrimogêneo vencido contra manifestantes em São Paulo
>> Movimento contra tarifa não se intimida com repressão e convoca novo protesto em SP
>> Repressão da PM não poupou jornalistas que cobriam protesto em São Paulo
>>
Alckmin demonstra vontade de bater, e Haddad erra ao atribuir violência a movimento
>> Anistia Internacional: discurso de autoridades sinalizando mais repressão é preocupante
>> PM vandaliza São Paulo, prende mais de 150, bate em jornalistas e sonega informações
>> Prefeitura ignora audiência, e manifestantes vão às ruas esperando maior aparato policial