Home Cidadania Comandante da PM também participou de agressões, afirma advogado do movimento
Transporte Público

Comandante da PM também participou de agressões, afirma advogado do movimento

Dos manifestantes detidos nos últimos atos contra a tarifa em São Paulo, justiça liberta dois; dez aguardam fiança e cinco permanecem presos
Publicado por Tadeu Breda, da RBA
15:55
Compartilhar:   
cc/drago/selvasp
4-ato-mpl-drago_selvasp_24.jpg

Cena de ação policial para reprimir manifestação em São Paulo contra aumento da passagem do ônibus

São Paulo – O tenente-coronel Ben Hur Junqueira Neto, que comandou a Polícia Militar durante a ação truculenta contra o ato pela redução das tarifas do transporte público em São Paulo, ontem à noite (13), também teria participado das agressões aos manifestantes, segundo o advogado Bruno Morais, que atua, junto a outros defensores, para libertar da prisão as pessoas presas nos dois últimos atos.

“Houve muita gente agredida ontem na rua, no momento da prisão, inclusive pelo tenente-coronel Ben Hur, que comandou a operação. Queremos responsabilizá-lo civil e criminalmente pelos abusos cometidos. Vamos preparar um dossiê e vamos representá-lo na Corregedoria da PM.”

Morais explica que o Movimento Passe Livre estabeleceu uma articulação com a Defensoria Pública do Estado de São Paulo, que ontem mesmo deslocou alguns membros ao 78º DP para monitorar a situação. “Vamos juntar vídeos, fotos e relatos e tomar as medidas cabíveis”, disse.

Detidos

No exato momento em que a Tropa de Choque lançava bombas de gás lacrimogênio e dispersava a multidão ontem, a Secretaria de Administração Penitenciária finalmente libertava dois manifestantes detidos no protesto anterior, realizado na terça-feira (11). Os jovens de 20 e 26 anos estavam no presídio de Tremembé, em Taubaté, interior do estado, após terem passado pelas carceragens do 1º Distrito Policial, na Liberdade, do 2º Distrito Policial, no Bom Retiro, e do Centro de Detenção Provisória de Belém II, na zona leste.

As quatro transferências em menos de 48 horas dificultaram o trabalho dos advogados. Para colocá-los de volta nas ruas, o MPL havia pago a fiança de R$ 3 mil cada um estipulada pelas autoridades na tarde de quarta-feira (12). No mesmo dia, a Justiça expediu um alvará de soltura, que no entanto não chegou a tempo para liberá-los imediatamente – eles foram transferidos e o documento perdeu a validade. Outro alvará foi elaborado e enviado para Taubaté já na manhã de ontem. Após horas de burocracia, às 18h50 a Secretaria de Administração Penitenciária informava à imprensa sobre a libertação dos manifestantes.

Das 19 pessoas detidas na terça-feira, 11 continuam presas: uma foi enviada para o presídio feminino de Franco da Rocha, na região metropolitana – a jovem foi autuada por dano. Os outros dez, acusados por formação de quadrilha, estavam distribuídos no 2º DP e no presídio de Tremembé. Ontem a justiça arbitrou uma fiança de dois salários mínimos para que deixem a carceragem e respondam ao processo em liberdade. Isso para nove deles. Um preso terá que pagar fiança de R$ 20 mil para sair. Advogados do MPL está representando sete deles, e articulando com movimentos sociais, sindicatos e centros acadêmicos uma arrecadação nacional de recursos para pagar a quantia exigida.

“Estamos recebendo muitas doações, estudantes estão fazendo festas beneficentes e vaquinhas pela internet com o mote: Nossa Solidariedade Não Cabe em Suas Grades”, explica Morais. “Agora estamos correndo contra o tempo e a burocracia para que eles não passem o final de semana atrás das grades.” O protesto de ontem, na região central, deixou um rastro de 232 detidos. A maioria foi presa para averiguação – o que é inconstitucional, de acordo com Morais – e liberada logo em seguida. “As pessoas foram levadas para a delegacia por portar vinagre… É uma arbitrariedade impressionante.” Morais diz também a polícia civil pegou o Facebook de todo mundo que passou pela delegacia.

Apenas quatro pessoas permanecem sob custódia, pois, segundo a polícia, foram flagradas cometendo os crimes de formação de quadrilha, incitação ao crime e dano. Todas estão no 2º DP, no Bom Retiro.

Mais sobre manifestações contra aumento da tarifa:
>>
Justiça liberta presos da manifestação de terça em São Paulo; um continua detido
>> ‘Foi mais do que truculência policial. Foi tortura’, diz Paulo Vannuchi
>> Sindicato vai pedir que Ministério Público investigue agressões da PM contra jornalistas
>> ‘Repressão ao trabalho dos jornalistas compromete a democracia’, diz deputada tucana
>> Psol critica ‘governantes do prende e arrebenta’ por reação violenta a manifestação em SP
>> ‘Vinagre pode virar bomba’, diz coronel que comandou ação da PM em São Paulo
>> Vai à manifestação de segunda? Saiba qual vinagre faz seu tipo
>> Alckmin aposta na provocação e no ‘quanto pior, melhor’, diz deputado petista
>>
Manifestantes cercados e atacados pela força policial: democracia, só que não
>> ‘PM mirava no rosto’, diz cinegrafista da TVT que tomou três tiros durante manifestação
>> PT de São Paulo condena criminalização do movimento contra tarifa
>> Secretário defende ação da PM em São Paulo e diz que investigará ‘aspectos pontuais’
>> Alckmin não vê truculência da PM e diz que vai apurar ‘excesso pontual’
>> Comandante da PM também participou de agressões, afirma advogado do movimento
>> Associação diz que ataques da PM a jornalistas foram ‘deliberados’
>> ONG denunciará violência policial no protesto em São Paulo à ONU
>> ‘Não houve agressão, houve defesa’, diz Polícia Militar de São Paulo
>> Movimento de direitos humanos pede que ordem para repressão seja investigada
>> Prefeito nega redução de passagem e diz que não vai se submeter a ‘jogo de tudo ou nada’
>> Repórter atingida por bala de borracha nos olhos passa bem
>> Haddad agora diz que violência policial nos protestos contra aumento é ‘lamentável’
>> Autoritarismo da polícia de Alckmin termina com 235 pessoas detidas
>> PM ignora riscos e usa gás lacrimogêneo vencido contra manifestantes em São Paulo
>> Movimento contra tarifa não se intimida com repressão e convoca novo protesto em SP
>> Repressão da PM não poupou jornalistas que cobriam protesto em São Paulo
>>
Alckmin demonstra vontade de bater, e Haddad erra ao atribuir violência a movimento
>> Anistia Internacional: discurso de autoridades sinalizando mais repressão é preocupante
>> PM vandaliza São Paulo, prende mais de 150, bate em jornalistas e sonega informações
>> Prefeitura ignora audiência, e manifestantes vão às ruas esperando maior aparato policial