Home Cidadania Sindicato vai pedir que Ministério Público investigue agressões da PM contra jornalistas
Em São Paulo

Sindicato vai pedir que Ministério Público investigue agressões da PM contra jornalistas

Órgão encaminhou documento à Secretaria de Segurança solicitando que garanta integridade física e direito à liberdade de imprensa
Publicado por Sarah Fernandes, da RBA
17:43
Compartilhar:   
Jennifer Glass/Fotos do Ofício
Movimento Passe Livre

Ao todo, 14 jornalistas foram agredidos pela Polícia Militar e três foram presos

São Paulo – O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo vai protocolar pedido no Ministério Público para que o órgão investigue as agressões da Polícia Militar contra os profissionais de imprensa que trabalhavam na cobertura dos dois últimos atos contra o aumento da tarifa do transporte público, realizados ontem (13) e terça-feira (11) em São Paulo.

O sindicato vai finalizar, até o fim do dia, um documento com o número de jornalistas vítimas de agressões policiais. A lista já soma 14 agredidos e três presos, entre eles a repórter da RBA Gisele Brito, que foi golpeada na nuca, nas pernas e no rosto enquanto cobria o evento. O pedido de investigação também será encaminhado para a Corregedoria da Polícia Militar e para a Secretaria de Segurança Pública.

“Encaminhamos um comunicado para a Secretaria de Segurança reivindicando que ela garanta a segurança dos jornalistas durante a cobertura”, disse o presidente do sindicato, José Augusto Camargo. O comunicado foi enviado hoje (14) também para o Tribunal de Justiça de São Paulo, a Ouvidoria das polícias de São Paulo, a Corregedoria das polícias Civil e Militar, os comandos da PM e GCM, o Palácio dos Bandeirantes e a Assembleia Legislativa.

A nota solicita “garantia à integridade física e o direito à liberdade de imprensa aos jornalistas que cobrem o evento para que possam trabalhar sem o ‘risco’ de serem detidos ilegalmente ou constrangidos no exercício da função de informar”. Outro documento semelhante havia sido entregue à Secretaria da Segurança Pública ontem, mas não foi suficiente para impedir as agressões.

O órgão também pretende distribuir adesivos para os jornalistas que forem trabalhar no próximo protesto, marcado para segunda-feira (17), para que eles colem nas roupas e nos equipamentos, facilitando a identificação na multidão.

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) também emitiu uma nota em que “repudia a atitude violenta de policiais militares que, em uma atitude descabida, agrediram” jornalistas que trabalhavam na cobertura das manifestações de São Paulo.

A entidade entrou em contato com a secretaria-geral da Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ) relatando o ocorrido e disse que a associação se colocou à disposição dos jornalistas brasileiros para divulgar os fatos junto às entidades internacionais.

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) também divulgou nota na qual informa que foram pelo menos 15 os jornalistas agredidos pela Polícia Militar enquanto trabalhavam durante o protesto de ontem. “Impedir o repórter de realizar seu trabalho é violentar toda a sociedade; é atentar contra a democracia”, diz a nota.

Além da repórter da RBA, foram agredidos ontem o jornalista Piero Locateli, da revista Carta Capital, o repórter cinematográfico do portal Terra Fernando Borges, a repórter da TV Folha Giuliana Vallone – que levou um tiro de bala de borracha no olho, e o repórter Fábio Braga, da Folha Online.

Antes disso, haviam sido detidos e agredidos os profissionais Fernando Mellis, do portal R7, Leandro Machado, repórter da Folha de S. Paulo, e Leandro Morais, repórter-fotográfico do UOL. O repórter do jornal Metro Henrique Beirange foi atingido por um jato de spray de pimenta, e o repórter do Portal Terra Vagner Magalhães levou um golpe de cassetete de um policial militar, enquanto seu colega, o fotógrafo Fernando Borges, também foi detido e ficou preso por 40 minutos. O jornalista Pedro Ribeiro Nogueira, do Portal Aprendiz, permaneceu preso por três dias.