Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2013 / 06 / PM reprime manifestação antes de partida do Brasil em Fortaleza

Ceará

PM reprime manifestação antes de partida do Brasil em Fortaleza

Protesto com 50 mil antes de jogo da Seleção pela Copa das Confederações levará a desgaste do governador Cid Gomes, vaiado pelos manifestantes
por Túlio Muniz, especial para a RBA publicado 19/06/2013 16h10
Protesto com 50 mil antes de jogo da Seleção pela Copa das Confederações levará a desgaste do governador Cid Gomes, vaiado pelos manifestantes
Antonio Lacerda/EFE
fortaleza_EFE_Antonio-Lacer.jpg

Saúde, educação e o despreparo da PM foram as principais bandeiras dos manifestantes

Fortaleza – A manifestação realizada hoje (19) em Fortaleza, antes do jogo das seleções brasileira e mexicana, só não reproduziu um único ponto de discórdia daquilo que se vê Brasil agora: na capital do Ceará, o preço da passagem do transporte público não é, necessariamente, o carro chefe da revolta. A passagem de ônibus aqui é de R$ 2,20, isso por conta de aumento recente, no apagar das luzes do governo do PT, que ficou oito anos à frente da prefeitura. E desde sábado (15) funciona a principal promessa eleitoral do prefeito Roberto Cláudio (PSB), o “Bilhete Único”, que dá ao usuário duas horas para pegar quantos ônibus quiser pagando apenas uma tarifa.

Afora isso, a manifestação reproduziu aspectos que vêm sendo registrados em todo o país: saúde, educação e, sobretudo, o despreparo e o desrespeito da Polícia Militar no enfrentamento a manifestações, e a consequente reação desproporcional dos policiais diante de provocações de reduzidíssimo contingente de manifestantes. Contra paus e pedras arremessados por alguns poucos, a polícia respondeu com balas de borracha (uma excrescência que deveria ser banida) e gases de pimenta e lacrimogêneo que acabaram por atingir milhares de manifestantes, todos instalados no sentido "contra vento" (inclusive este que lhes escreve).

Começou às 10h a concentração das 50 mil pessoas a cerca de um quilometro do estádio do Castelão, onde ocorre o jogo. Às 11h seguramente havia pelo menos 10 mil pessoas no inicio da Avenida Alberto Craveiro, principal acesso ao local. Às 12h em ponto a massa avançou cerca de 500 metros na avenida, onde se instalara a primeira barreira policial.

Durante cerca de meia hora os manifestantes apelavam à não violência, inclusive com gritos de “Ou ou ou, a greve da polícia o povo apoiou”, referência à greve da PM entre dezembro de 2011 e janeiro de 2012. Ocorre que nas barreiras desta quarta estavam o Batalhão de Choque e a Cavalaria da PM cearense, setores que menos aderiram à paralisação. É certo que alguns manifestantes atiraram paus e pedras, mas foi um número inexpressivo diante do contingente de manifestantes os mais variados,o que se expressava em cartazes, roupas, faixas, gritos – desde “#vempraruacristão” num cartaz manual a adolescentes com caras pintadas e camisetas com Bob Esponja, adolescentes punks, militantes do MST e do movimento Crítica Radical (de Fortaleza, anti-institucional, embora não anarquista).

Visivelmente, a massa era composta em um grande contingente da chamada “classe média”, estudantes ou não, que não suporta mais a violência crescente em Fortaleza nos últimos dez anos (o Mapa da Violência de 2012 situa a cidade como a quinta do país onde mais se mata). Quando se defronta com uma polícia que deveria garantir a segurança pública com o mesmo vigor que combate à manifestações populares, é imprevisível o que está por vir.

Como imprevisível foi o desfecho do protesto, com a massa bloqueando a BR 116 no seu trecho urbano que é o principal acesso à cidade e um dos principais ao estádio. Como imprevisível será a reação do governador Cid Gomes (PSB), apupado por todos os presentes, em uníssono, como “Cid, ditador”, diante da truculência policial, essa sim a provocação infiltrada na manifestação. Se o governador  endossou ou não a desnecessária ação policial, terá de lidar com os deméritos do protesto, aprofundando ainda mais o descrédito à política estadual de segurança. Se até Neymar postou críticas à ação do governo no Twitter, imaginem as urnas em 2014. Imaginemos depois da Copa.

registrado em: , , , ,