Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2013 / 06 / Para Bonduki, é preciso acompanhar recursos para transporte de forma permanente em SP

concessões

Para Bonduki, é preciso acompanhar recursos para transporte de forma permanente em SP

Vereador paulistano diz que fiscalização pode ser feita por um conselho ou comitê de entidades e cidadãos
por Redação RBA publicado 21/06/2013 16h41, última modificação 21/06/2013 16h50
Vereador paulistano diz que fiscalização pode ser feita por um conselho ou comitê de entidades e cidadãos
Marcos Santos/Usp Imagens
nabil bonduki_imagens usp.jpg

Para Bonduki, recursos oriundos do uso de automóveis podem financiar rápida melhoria do transporte

São Paulo – Para o vereador paulistano Nabil Bonduki (PT), o controle, fiscalização e acompanhamento do uso feito das tarifas de transporte público deve ser permanente. Na última terça (18), a Câmara Municipal protocolou o pedido de instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do vereador Ricardo Young (PPS) para investigar as concessões de ônibus na cidade. "Essa fiscalização pode ser feita por um conselho ou comitê de entidades e cidadãos, para que possamos saber quanto está custando o transporte coletivo na cidade e ter mais transparência nos subsídios e aplicação de recursos que são destinados às empresas", diz Bonduki, em entrevista à Rádio Brasil Atual.

Para ele, o governo federal deve "fazer tudo o que for possível" para contribuir com investimentos do transporte coletivo na cidade. "Podemos trabalhar com a perspectiva da desoneração. Já houve uma desoneração importante feita pela presidenta Dilma Rousseff e acho que ela pode ser aumentada." O vereador defende a criação de um fundo de investimentos em transporte coletivo, com recursos preferencialmente oriundos da utilização do automóvel: "Essa é a principal maneira de financiar rápida melhoria do transporte coletivo".

A proposta para a criação da CPI precisa ser aprovada em plenário pela maioria absoluta dos 55 vereadores (mais da metade dos vereadores presentes na sessão). Caso seja aprovada, a CPI terá prazo de funcionamento de 120 dias e uma comissão designada pelo presidente da Câmara, José Américo (PT).

Ouça a entrevista na íntegra no link.