Home Cidadania ‘Não houve agressão, houve defesa’, diz Polícia Militar de São Paulo
Truculência

‘Não houve agressão, houve defesa’, diz Polícia Militar de São Paulo

Ao todo, 232 pessoas foram presas, muitas antes mesmo de o ato começar pelo crime do 'porte de vinagre'. Centenas foram agredidas, e o trabalho da imprensa, cerceado
Publicado por Sarah Fernandes, da RBA
14:05
Compartilhar:   
Jennifer Glass/Fotos do Ofício
MPL

PM nega que tenha havido uma ação contra os profissionais de imprensa

São Paulo – Para a Polícia Militar do Estado de São Paulo, “não houve agressão” contra os 20 mil manifestantes que protestaram ontem (13), em São Paulo, contra o aumento da tarifa de transporte público, na qual centenas de pessoas foram agredidas e 232 presas. “A polícia se defende e defende a ordem”, disse o assessor de imprensa da corporação, major Marcel Lacerda Soffner, à RBA, ecoando as palavras proferidas pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), que rejeitou a ideia de que tenha havido truculência.

“A polícia está exercendo seu papel constitucional e os manifestantes também, mas devem fazer isso dentro da lei brasileira. Deve ser uma manifestação legítima, ordeira e pacífica. Os métodos utilizados não foram legais. O problema foi o a violação da ordem, o vandalismo, com resistência na via pública”, disse o major Soffner.

Os manifestantes presos foram conduzidos para averiguação nos 1º, 4º, 6º, 8º e 78º Distritos Policiais, segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. Deste total, a Polícia Civil registrou 32 Boletins de Ocorrência e seis Termos Circunstanciados, envolvendo 84 pessoas. Quatro pessoas foram indiciadas por formação de quadrilha, incitação ao crime e dano qualificado. Hoje (14) elas foram transferidas do 2º DP para a Penitenciária de Tremembé II, no Vale do Paraíba.

De acordo com o assessor, havia um acordo entre a PM e o Movimento Passe Livre (MPL) para que as vias principais da cidade, no caso a Rua da Consolação, na zona central, não fossem interditadas. O movimento, no entanto, nega a informação. “Em momento nenhum nos comprometemos a não obstruir vias. O que fazemos é negociar com a polícia para tentar inibir a violência”, diz a militante Érika de Oliveira.

Os militantes deixaram o Teatro Municipal pelo calçadão da Rua Barão de Itapetininga, seguiram até a Praça da República e de lá para a Rua da Consolação. Ao chegar no cruzamento desta com a Rua Maria Antônia, depararam com um bloqueio de motocicletas da PM, o que impediu a passagem dos manifestantes, que caminhavam pacificamente contra o aumento na tarifa – reajustada no último dia 2 de R$ 3 para R$ 3,20.

O único itinerário possível era subir a Rua da Consolação em direção à Avenida Paulista. Ainda assim, a Polícia Militar insistia que os manifestantes dessem marcha a ré e finalizassem o protesto na Praça Roosevelt, menos de meia hora depois de iniciado.

O grupo permaneceu parado esperando o resultado da negociação entre membros do MPL e o comando policial. Foi quando a Tropa de Choque apareceu pelas ruas laterais e encurralou a linha de frente da passeata, lançando bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo para dispersar a multidão.

“Mas a força militar já estava em operação antes do ato”, lembrou Érika, referindo-se a batidas policiais realizadas no centro de São Paulo, durante a tarde. A polícia militar reconhece que revistou uma série de pessoas, “devido à circunstância”, segundo major Soffner. “Havia denúncias de pessoas com martelos, pedras, coquetel molotov e soco inglês”, disse. “A PM não quer esse tipo de ação, temos que garantir a liberdade de manifestação do pensamos, mas pode partir para a radicalização e a baderna.”

Pelo menos cinco jornalistas que cobriam o ato foram agredidos, entre eles a repórter da RBA Gisele Brito. O assessor de imprensa da PM nega que tenha havido uma ação contra os profissionais de imprensa. “Queremos garantir a ordem. As ações não são direcionadas, mas há um risco eminente da própria reportagem, por estar presente no momento do conflito.”

Mais sobre manifestações contra aumento da tarifa:
>>
Justiça liberta presos da manifestação de terça em São Paulo; um continua detido
>> ‘Foi mais do que truculência policial. Foi tortura’, diz Paulo Vannuchi
>> Sindicato vai pedir que Ministério Público investigue agressões da PM contra jornalistas
>> ‘Repressão ao trabalho dos jornalistas compromete a democracia’, diz deputada tucana
>> Psol critica ‘governantes do prende e arrebenta’ por reação violenta a manifestação em SP
>> ‘Vinagre pode virar bomba’, diz coronel que comandou ação da PM em São Paulo
>> Vai à manifestação de segunda? Saiba qual vinagre faz seu tipo
>> Alckmin aposta na provocação e no ‘quanto pior, melhor’, diz deputado petista
>>
Manifestantes cercados e atacados pela força policial: democracia, só que não
>> ‘PM mirava no rosto’, diz cinegrafista da TVT que tomou três tiros durante manifestação
>> PT de São Paulo condena criminalização do movimento contra tarifa
>> Secretário defende ação da PM em São Paulo e diz que investigará ‘aspectos pontuais’
>> Alckmin não vê truculência da PM e diz que vai apurar ‘excesso pontual’
>> Comandante da PM também participou de agressões, afirma advogado do movimento
>> Associação diz que ataques da PM a jornalistas foram ‘deliberados’
>> ONG denunciará violência policial no protesto em São Paulo à ONU
>> ‘Não houve agressão, houve defesa’, diz Polícia Militar de São Paulo
>> Movimento de direitos humanos pede que ordem para repressão seja investigada
>> Prefeito nega redução de passagem e diz que não vai se submeter a ‘jogo de tudo ou nada’
>> Repórter atingida por bala de borracha nos olhos passa bem
>> Haddad agora diz que violência policial nos protestos contra aumento é ‘lamentável’
>> Autoritarismo da polícia de Alckmin termina com 235 pessoas detidas
>> PM ignora riscos e usa gás lacrimogêneo vencido contra manifestantes em São Paulo
>> Movimento contra tarifa não se intimida com repressão e convoca novo protesto em SP
>> Repressão da PM não poupou jornalistas que cobriam protesto em São Paulo
>>
Alckmin demonstra vontade de bater, e Haddad erra ao atribuir violência a movimento
>> Anistia Internacional: discurso de autoridades sinalizando mais repressão é preocupante
>> PM vandaliza São Paulo, prende mais de 150, bate em jornalistas e sonega informações
>> Prefeitura ignora audiência, e manifestantes vão às ruas esperando maior aparato policial