São Paulo

Movimentos cobram união da esquerda em ‘conjuntura pesada’

Reunião convocada pelo MST esboça agenda de reivindicações a ser levada ao governo federal e ao Congresso. Stédile celebra pronunciamento de Dilma: 'Ela ouviu as vozes das ruas'

Danilo Ramos. RBA
IMG_7821.jpg

CUT, UNE, MST e outros movimentos pensam que é o momento de unificar ideias à esquerda para evitar retrocesso

São Paulo – Movimentos sociais, partidos políticos e entidades de classe se reuniram ontem (21) para discutir a conjuntura política da atualidade tendo em vista as manifestações das últimas semanas, organizadas pelo Movimento Passe Livre, e o desencadeamento de outros protestos, sem lideranças claras e pautas variadas.

No encontro, as organizações buscaram esboçar uma agenda unificada. Para Luiz Gonzaga da Silva, o Gegê, da Central dos Movimentos Populares, o consenso é difícil. No entanto, “tudo depende do momento conjuntural, ele define o rumo das coisas. E nesse caso, o nosso rumo foi definido por essa conjuntura, que não é de se brincar. É uma conjuntura pesada, em que o povo está levado a ir para as ruas, está receptivo a fazer suas lutas, e nós não podemos recuar”.

A Central Sindical e Popular (Conlutas) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT) participaram da reunião e destacaram o compromisso com as demais centrais sindicais – com quem se encontram na próxima terça-feira (25). Para Vagner Freitas, presidente da CUT, o debate foi importante para reunir as esquerdas. “Temos muitas divergências e dificuldades entre nós, mas a unificação é importante. A CUT não sai daqui com nenhuma proposta. Tratamos de construir um fórum que consiga unificar e discutir os nossos problemas”.

Representantes de diversos movimentos apresentaram ideias de como pautar os militantes para os novos protestos marcados para esta semana, além de combater de forma ideológica as iniciativas reacionárias que têm se mostrado crescentes nas últimas mobilizações de rua. A constatação é de que muitas das pautas progressistas apresentadas por muitos manifestantes são reivindicações antigas dos movimentos sociais. Por isso, aproveitar o momento para reforçar o coro e construir um diálogo com o poder público é fundamental para novas conquistas.

A presidenta da União Nacional dos Estudantes (UNE), Vic Barros, fez um balanço positivo da reunião e apontou duas pautas presentes em várias falas durante a noite. “Essa reunião demonstrou que o povo unido em luta no Brasil, por meio das ações do movimentos sociais, tem muita unidade a construir em torno de pautas que possibilitem nosso país a avançar no caminho das mudanças. Como é o caso de uma reforma política que garanta mais participações populares nas decisões da política brasileira, que garanta financiamento público de campanha, e principalmente, nesta pauta educacional, que hoje se manifesta através da luta dos 10% do PIB para a educação”.

Ontem, durante pronunciamento em cadeia de rádio e televisão, a presidenta Dilma Rousseff afirmou que vai procurar os líderes dos outros poderes constitucionais para propor a aprovação de uma reforma política, e reforçou a promessa de destinar 100% dos royalties dos novos blocos de exploração do pré-sal para a educação.

João Pedro Stédile, presidente do MST, movimento que teve a iniciativa do encontro, resumiu algumas pautas apresentadas e consideradas essenciais. Para ele, é preciso levar adiante a apresentação de um projeto de lei pela democratização dos meios de comunicação, debater a reforma do Poder Judiciário, garantir a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, cobrar a destinação de mais recursos para educação, saúde e transporte público, suspender os leilões do petróleo e promover uma reforma urbana.

A reunião foi interrompida para acompanhar o pronunciamento da presidenta Dilma Rousseff. O anúncio de que ela se reunirá com lideranças de movimentos populares foi ovacionado. Stédile admitiu surpresa: “Foi uma fala boa, política, e revela que ela ouviu as vozes das ruas. Agora, como tudo na vida, a gente tem que ser um pouco São Tomé, só acreditar vendo. Então eu espero que ela dê concretude às propostas políticas que anunciou.”

As mais de 30 entidades que participaram na reunião devem se encontrar novamente na próxima semana para definir as propostas concretas.

Com informações de Cláudia Manzano. Ouça a reportagem na Rádio Brasil Atual de segunda-feira (24)