Home Cidadania Movimento contra tarifa não se intimida com repressão e convoca novo protesto em SP
à espera de resposta

Movimento contra tarifa não se intimida com repressão e convoca novo protesto em SP

Manifestantes voltarão às ruas da capital paulista na segunda-feira (17) na quinta marcha contra o aumento da passagem do transporte público
Publicado por Tadeu Breda, da RBA
02:11
Compartilhar:   
Mídia Ninja
midianinja.jpg

Manifestação desta quinta-feira foi pacífica e festiva. Ainda assim, PM não poupou truculência

São Paulo – Apesar da jornada repressiva promovida pela Polícia Militar de São Paulo ontem (13), a mobilização contra o reajuste da tarifa do transporte público na capital não dá sinais de debilidade. Poucas horas após a PM ter literalmente botado pra quebrar em cima dos manifestantes, um novo protesto começou a ser convocado pelas redes sociais. Deverá ocorrer na segunda-feira (17), com concentração marcada para o Largo da Batata, na zona oeste.

No início da madrugada de hoje, mais de 25 mil pessoas já haviam confirmado presença na passeata pelo Facebook. Será o quinto ato consecutivo contra o recente aumento na passagem de ônibus, trens e metrô da cidade, que no último dia 2 de junho passou de R$ 3 para R$ 3,20. “A luta da população de São Paulo contra o aumento das passagens de um transporte que se diz público está cada vez maior e mais forte, mas a única resposta do governo é uma repressão policial mais truculenta e arbitrária a cada ato”, diz a convocatória. “Nessa quinta, uma manifestação de 20 mil pessoas, completamente pacífica, foi recebida a bombas e balas de borracha na Rua da Consolação. Ficou claro que a violência parte sempre da polícia.”

A mobilização é encabeçada pelo Movimento Passe Livre (MPL), organização que luta pela gratuidade do transporte público, mas conta com a adesão cada vez maior de sindicatos, partidos de esquerda, movimentos sociais, centros acadêmicos e cidadãos de todas as idades que não pertencem a nenhum grupo político, mas que demonstram cansaço com o alto preço das tarifas e o que classificam como péssima qualidade do serviço prestado pelo sistema de transporte na cidade. As manifestações começaram na quinta-feira (6), continuaram na sexta (7), terça (11) e ontem. Os organizadores da mobilização dizem que só vão parar de tomar as ruas – e de paralisar São Paulo – quando o reajuste for cancelado.

Mais sobre manifestações contra aumento da tarifa:
>>
Justiça liberta presos da manifestação de terça em São Paulo; um continua detido
>> ‘Foi mais do que truculência policial. Foi tortura’, diz Paulo Vannuchi
>> Sindicato vai pedir que Ministério Público investigue agressões da PM contra jornalistas
>> ‘Repressão ao trabalho dos jornalistas compromete a democracia’, diz deputada tucana
>> Psol critica ‘governantes do prende e arrebenta’ por reação violenta a manifestação em SP
>> ‘Vinagre pode virar bomba’, diz coronel que comandou ação da PM em São Paulo
>> Vai à manifestação de segunda? Saiba qual vinagre faz seu tipo
>> Alckmin aposta na provocação e no ‘quanto pior, melhor’, diz deputado petista
>>
Manifestantes cercados e atacados pela força policial: democracia, só que não
>> ‘PM mirava no rosto’, diz cinegrafista da TVT que tomou três tiros durante manifestação
>> PT de São Paulo condena criminalização do movimento contra tarifa
>> Secretário defende ação da PM em São Paulo e diz que investigará ‘aspectos pontuais’
>> Alckmin não vê truculência da PM e diz que vai apurar ‘excesso pontual’
>> Comandante da PM também participou de agressões, afirma advogado do movimento
>> Associação diz que ataques da PM a jornalistas foram ‘deliberados’
>> ONG denunciará violência policial no protesto em São Paulo à ONU
>> ‘Não houve agressão, houve defesa’, diz Polícia Militar de São Paulo
>> Movimento de direitos humanos pede que ordem para repressão seja investigada
>> Prefeito nega redução de passagem e diz que não vai se submeter a ‘jogo de tudo ou nada’
>> Repórter atingida por bala de borracha nos olhos passa bem
>> Haddad agora diz que violência policial nos protestos contra aumento é ‘lamentável’
>> Autoritarismo da polícia de Alckmin termina com 235 pessoas detidas
>> PM ignora riscos e usa gás lacrimogêneo vencido contra manifestantes em São Paulo
>> Movimento contra tarifa não se intimida com repressão e convoca novo protesto em SP
>> Repressão da PM não poupou jornalistas que cobriam protesto em São Paulo
>>
Alckmin demonstra vontade de bater, e Haddad erra ao atribuir violência a movimento
>> Anistia Internacional: discurso de autoridades sinalizando mais repressão é preocupante
>> PM vandaliza São Paulo, prende mais de 150, bate em jornalistas e sonega informações
>> Prefeitura ignora audiência, e manifestantes vão às ruas esperando maior aparato policial