Home Cidadania Prefeito nega redução de passagem e diz que não vai se submeter a ‘jogo de tudo ou nada’
Diálogo reduzido

Prefeito nega redução de passagem e diz que não vai se submeter a ‘jogo de tudo ou nada’

Fernando Haddad diz que tem de dialogar com 11 milhões de pessoas, e não apenas com os que se manifestam nas rua
Publicado por Redação RBA
10:32
Compartilhar:   
Heloisa Ballarini/Secom Prefeitura
Haddad

Em coletiva dada ontem (13) à noite, prefeito já havia reiterado que a tarifa de ônibus seria mantida em R$ 3,20

São Paulo – O prefeito Fernando Haddad (PT) disse hoje (14) que problemas relativos a orçamento para conter reajustes de passagem de ônibus não é um problema restrito a São Paulo, mas sim de todas as prefeituras do país. “Os reajustes estão aí e os prefeitos não têm fonte alternativa para aumentar ainda mais os subsídios, que, em São Paulo, iriam superar mais de R$1 bilhão.” Segundo ele, tarifa zero para o transporte público é “irreal”.

“Há um longo trajeto para conseguirmos mudar a qualidade do transporte. Isso vai ser feito numa mesa de diálogo, com esclarecimentos, com a verdade dos fatos. E não iludindo a população a respeito de zerar a tarifa do ônibus como se isso fosse possível de um dia pro outro, envolvendo R$ 6 bilhões de investimento”, disse ao jornal Bom Dia SP, da TV Globo.

Haddad afirmou ainda que a prefeitura não “pode se submeter a jogo de tudo ou nada”, e que o diálogo tem de se dar com toda a sociedade, e não com apenas com as pessoas que estão protestando nas ruas.

“Ou é tudo como eles querem ou não tem conversa. Quando você entra numa conversa, tem de entrar com espírito aberto. Não pode entrar com resultado definido, tem de entrar para conhecer o orçamento municipal, verificar quais áreas irão perder recursos com o subsídio da tarifa, e tomar uma decisão pelo diálogo com a sociedade, porque temos que dialogar com 11 milhões, e não com 2, 3, 4 mil que estão nas ruas.”

Mais sobre manifestações contra aumento da tarifa:
>>
Justiça liberta presos da manifestação de terça em São Paulo; um continua detido
>> ‘Foi mais do que truculência policial. Foi tortura’, diz Paulo Vannuchi
>> Sindicato vai pedir que Ministério Público investigue agressões da PM contra jornalistas
>> ‘Repressão ao trabalho dos jornalistas compromete a democracia’, diz deputada tucana
>> Psol critica ‘governantes do prende e arrebenta’ por reação violenta a manifestação em SP
>> ‘Vinagre pode virar bomba’, diz coronel que comandou ação da PM em São Paulo
>> Vai à manifestação de segunda? Saiba qual vinagre faz seu tipo
>> Alckmin aposta na provocação e no ‘quanto pior, melhor’, diz deputado petista
>>
Manifestantes cercados e atacados pela força policial: democracia, só que não
>> ‘PM mirava no rosto’, diz cinegrafista da TVT que tomou três tiros durante manifestação
>> PT de São Paulo condena criminalização do movimento contra tarifa
>> Secretário defende ação da PM em São Paulo e diz que investigará ‘aspectos pontuais’
>> Alckmin não vê truculência da PM e diz que vai apurar ‘excesso pontual’
>> Comandante da PM também participou de agressões, afirma advogado do movimento
>> Associação diz que ataques da PM a jornalistas foram ‘deliberados’
>> ONG denunciará violência policial no protesto em São Paulo à ONU
>> ‘Não houve agressão, houve defesa’, diz Polícia Militar de São Paulo
>> Movimento de direitos humanos pede que ordem para repressão seja investigada
>> Prefeito nega redução de passagem e diz que não vai se submeter a ‘jogo de tudo ou nada’
>> Repórter atingida por bala de borracha nos olhos passa bem
>> Haddad agora diz que violência policial nos protestos contra aumento é ‘lamentável’
>> Autoritarismo da polícia de Alckmin termina com 235 pessoas detidas
>> PM ignora riscos e usa gás lacrimogêneo vencido contra manifestantes em São Paulo
>> Movimento contra tarifa não se intimida com repressão e convoca novo protesto em SP
>> Repressão da PM não poupou jornalistas que cobriam protesto em São Paulo
>>
Alckmin demonstra vontade de bater, e Haddad erra ao atribuir violência a movimento
>> Anistia Internacional: discurso de autoridades sinalizando mais repressão é preocupante
>> PM vandaliza São Paulo, prende mais de 150, bate em jornalistas e sonega informações
>> Prefeitura ignora audiência, e manifestantes vão às ruas esperando maior aparato policial