Home Cidadania ‘Foi mais do que truculência policial. Foi tortura’, diz Paulo Vannuchi
Repressão policial

‘Foi mais do que truculência policial. Foi tortura’, diz Paulo Vannuchi

'Para os jovens que desejam saber como era o ambiente no tempo da ditadura, digo que era o ambiente desta quinta à noite', afirma colunista da Rádio Brasil Atual
Publicado por Redação RBA
18:20
Compartilhar:   
Ninja/CC
4o ato sp_ninja.jpg

Para Vannuchi, no ato de ontem (13) a postura de vandalismo foi da Polícia Militar

São Paulo – O ex-ministro da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Paulo Vannuchi afirmou que a postura da Polícia Militar de São Paulo é inaceitável para uma democracia. Ele argumentou que a repressão a manifestantes e jornalistas faz relembrar os tempos da ditadura (1964-1985) e cobrou que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) revise sua posição.

“Um PM com raiva e ódio no rosto disparando spray de gás de pimenta contra um cinegrafista. As imagens de dias de um jovem jornalista do Projeto Aprendiz preso, e que policiais cercam o jovem, jogam no chão e o espancam. Isso não é repressão e truculência apenas. Isso é tortura. A tortura tem lei específica no Brasil desde 1997. É um crime inafiançável”, disse o colunista da Rádio Brasil Atual.

“Os policiais atiraram bombas e feriram jornalistas, marca do período da ditadura. Para os jovens que desejam saber como era o ambiente no tempo da ditadura, digo que era o ambiente de ontem à noite: a PM decide que não pode subir pela Consolação, interrompe e começa a disparar a torto e a direito.”

O analista político disse que o governador Geraldo Alckmin e o secretário da Segurança Pública, Fernando Grella, devem decidir entre cumprir ou não a lei: “Eles estão chamados a decidir entre seguir convicções democráticas, instaurar inquéritos para valer e punir os comandantes da operação ou deixar de lado o respeito à lei e reforçar o viés conservador muitas vezes presente nas atitudes do governo do estado”.

De outro lado, o ex-ministro pediu ajustes na organização das manifestações, indicando que a autogestão pode impôr algumas dificuldades. “O problema ocorre nos momentos em que um movimento como esse atinge a força que atingiu nessas manifestações. O movimento não pode sentar em frente aos poderes municipal e estadual e dizer que perderam o controle. Os movimento não pode agir apenas pela sua convicção, é preciso levar em conta a ética da responsabilidade e se assumir responsável pelo que se faz e o que se propõe. Assim funciona a democracia”, diz o ex-ministro.

Vannuchi ressaltou a heterogeneidade dos manifestantes e condenou as depredações feitas por grupos que considerou “sectários”: “As depredações não são puxadas pelos jovens que protestam contra o aumento da tarifa, mas sim por grupos sectários anti-petistas que aproveitam o episódio para fazer um gestos com conotação anti-democrática, que não respeita a opinião da maioria”.

Ouça a coluna de Vannuchi na Rádio Brasil Atualna íntegra.

Mais sobre manifestações contra aumento da tarifa:
>>
Justiça liberta presos da manifestação de terça em São Paulo; um continua detido
>> ‘Foi mais do que truculência policial. Foi tortura’, diz Paulo Vannuchi
>> Sindicato vai pedir que Ministério Público investigue agressões da PM contra jornalistas
>> ‘Repressão ao trabalho dos jornalistas compromete a democracia’, diz deputada tucana
>> Psol critica ‘governantes do prende e arrebenta’ por reação violenta a manifestação em SP
>> ‘Vinagre pode virar bomba’, diz coronel que comandou ação da PM em São Paulo
>> Vai à manifestação de segunda? Saiba qual vinagre faz seu tipo
>> Alckmin aposta na provocação e no ‘quanto pior, melhor’, diz deputado petista
>>
Manifestantes cercados e atacados pela força policial: democracia, só que não
>> ‘PM mirava no rosto’, diz cinegrafista da TVT que tomou três tiros durante manifestação
>> PT de São Paulo condena criminalização do movimento contra tarifa
>> Secretário defende ação da PM em São Paulo e diz que investigará ‘aspectos pontuais’
>> Alckmin não vê truculência da PM e diz que vai apurar ‘excesso pontual’
>> Comandante da PM também participou de agressões, afirma advogado do movimento
>> Associação diz que ataques da PM a jornalistas foram ‘deliberados’
>> ONG denunciará violência policial no protesto em São Paulo à ONU
>> ‘Não houve agressão, houve defesa’, diz Polícia Militar de São Paulo
>> Movimento de direitos humanos pede que ordem para repressão seja investigada
>> Prefeito nega redução de passagem e diz que não vai se submeter a ‘jogo de tudo ou nada’
>> Repórter atingida por bala de borracha nos olhos passa bem
>> Haddad agora diz que violência policial nos protestos contra aumento é ‘lamentável’
>> Autoritarismo da polícia de Alckmin termina com 235 pessoas detidas
>> PM ignora riscos e usa gás lacrimogêneo vencido contra manifestantes em São Paulo
>> Movimento contra tarifa não se intimida com repressão e convoca novo protesto em SP
>> Repressão da PM não poupou jornalistas que cobriam protesto em São Paulo
>>
Alckmin demonstra vontade de bater, e Haddad erra ao atribuir violência a movimento
>> Anistia Internacional: discurso de autoridades sinalizando mais repressão é preocupante
>> PM vandaliza São Paulo, prende mais de 150, bate em jornalistas e sonega informações
>> Prefeitura ignora audiência, e manifestantes vão às ruas esperando maior aparato policial