Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2013 / 05 / Comerciantes têm até hoje para desocupar Feira da Madrugada em São Paulo

segurança

Comerciantes têm até hoje para desocupar Feira da Madrugada em São Paulo

Grupo chegou a fechar ruas do bairro durante a madrugada, mas a maioria, segundo associação, concorda em sair agora e voltar depois das reformas
por Eduardo Maretti, da RBA publicado 29/05/2013 14h11, última modificação 29/05/2013 17h57
Grupo chegou a fechar ruas do bairro durante a madrugada, mas a maioria, segundo associação, concorda em sair agora e voltar depois das reformas
Marcelo Camargo/ABr
feirinha da madrugada

Prefeitura diz que tradicional centro de comércio ficará fechado por 60 dias

São Paulo – Termina hoje (29) o prazo para que comerciantes e trabalhadores desocupem a Feira da Madrugada, no bairro do Pari, região central de São Paulo. A desocupação, que atende a determinação do Corpo de Bombeiros e da Justiça, é necessária para que a prefeitura inicie as obras de reforma do local, cujo objetivo é aumentar segurança de lojistas e consumidores.

A prefeitura diz que a feirinha voltará a funcionar em 60 dias. Mas alguns comerciantes desconfiam da promessa de retorno. Na madrugada de hoje houve princípio de tumulto entre os resistentes. A manifestação chegou a interditar a esquina da rua São Caetano com a avenida do Estado, com intervenção da Polícia Militar.

Na opinião do presidente da Cooperativa de Microempreendedores, Importadores e Exportadores do Estado de São Paulo (Coomiesp), que representa os lojistas, Osvaldo Aparecido de Jesus, a manifestação “foi feita por uma minoria de 150 pessoas numa multidão de 5 mil”.

Depois do episódio, segundo ele, a feira está sendo esvaziada com tranquilidade. “Cerca de 70% da feira já está desocupada. As pessoas estão saindo sem problemas, apesar dos que estão a fim de vandalismo e baderna.”

Na segunda-feira, baseada em laudos do Corpo de Bombeiros, a prefeitura conseguiu derrubar liminar que garantia o funcionamento da feira, concedida no início do mês pelo juiz Victorio Giuzio Neto, da 24ª Vara Federal.