Home Cidadania PM teria facilitado ação de criminosos durante a Virada Cultural em São Paulo
arrastões

PM teria facilitado ação de criminosos durante a Virada Cultural em São Paulo

Vítimas dizem que policiais que patrulhavam as ruas do centro deixaram de agir para evitar roubos e agressões
Publicado por Redação RBA
Cidadania
Compartilhar:   
suplicy e daniela mercury

Ao lado de Daniela Mercury, Suplicy pediu aos ladrões que devolvessem seus documentos

São Paulo – Vários episódios de violência ocorridos durante a Virada Cultural de São Paulo, entre a noite de ontem (18) e a madrugada de hoje (19), colocaram em xeque a ação da Polícia Militar durante o evento.

Como nas edições anteriores, a Virada levou milhares de pessoas à região central da cidade. Diferentemente das outras ocasiões, no entanto, desta vez proliferaram relatos – nas redes sociais, nas delegacias de polícia e na imprensa – de que os PMs espalhados pelas ruas não agiram para conter os criminosos, principalmente os arrastões.

O comando da PM daria coletiva agora à tarde para comentar o assunto, mas a fala aos jornalistas foi cancelada. Supostas divergências coma prefeitura, organizadora do evento, teriam levado ao cancelamento. Segundo o site de notícias UOL, integrantes do governo municipal suspeitam de boicote dos policiais.

Apenas no Distrito Policial de Campos Elíseos foram registrados ao menos 15 casos de vítimas de arrastões, em que grupos de cerca de 50 passavam agredindo e arrancado pertences dos frequentadores, sobretudo celulares e carteiras.

Uma das vítimas de roubo foi o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), durante show de Daniela Mercury, que abriu a Virada na praça Júlio Prestes. O senador subiu ao palco e fez um apelo para que os ladrões devolvessem seus documentos, o que de fato acabou ocorrendo.

Mortes

Foram registradas duas mortes de ontem para hoje. Elias Martins Morais Neto reagiu a um assalto na avenida Rio Branco e foi atingido na cabeça por volta das 5h. Em outro caso, a vítima sofreu parada cardíaca após uma overdose, segundo a Santa Casa de São Paulo. Mais cinco pessoas foram atendidas por armas brancas no pronto-socorro do hospital.

Outra pessoa ficou ferida ao levar um tiro na perna, na avenida Ipiranga; e uma mulher foi detida na mesma região após esfaquear o marido.