Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2011 / 01 / FAO sugere programas de transferência de renda como o brasileiro para evitar crise alimentar

FAO sugere programas de transferência de renda como o brasileiro para evitar crise alimentar

por Renata Giraldi publicado 26/01/2011 17h09, última modificação 26/01/2011 17h09

Brasília – A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) advertiu nesta quarta-feira (26) que políticas públicas inadequadas podem agravar a crise de alimentos causada pela alta dos preços no mundo. Para os especialistas, restringir as exportações, como optam alguns países superavitários, pode piorar a situação global, pois gera incerteza e a depreciação dos preços do mercado interno.

A FAO recomendou ainda que os governos se esforcem na execução de programas de segurança alimentar para as camadas pobres da população. No Brasil, o carro-chefe dos programas de transferência de renda é o Bolsa Família. Segundo a organização das Nações Unidas, os programas de transferência de renda ou alimentos são essenciais para o “desenvolvimento” de um sistema completo na cadeia de segurança alimentar.

 
"A experiência da crise alimentar de 2007 a 2008 mostra que, em alguns casos, decisões tomadas de forma precipitada pelos governos que tinham o objetivo de atenuar o impacto da crise acabaram por contribuir e até agravar a crise impactando sobre a insegurança alimentar", disse o diretor de Políticas da FAO e da Divisão de Apoio ao Programa de Desenvolvimento, Richard China.

O Índice de Preços da FAO – que é uma espécie de referência de preços dos alimentos básicos em nível internacional - atingiu o pico em dezembro de 2010. "Com esse novo choque de preços agora, dois anos depois da crise [financeira internacional], há uma séria preocupação sobre as implicações para os mercados de alimentos nos países vulneráveis", disse China.

De acordo com a FAO, os mais afetados pela alta dos preços são as pessoas que vivem em centros urbanos e pequenos agricultores de países em desenvolvimento. Segundo especialistas, os mais pobres gastam de 70% a 75% da sua renda para comprar alimentos.

A FAO ressaltou ainda que não existe um “guia” com regras definidas sobre as medidas que devem ser adotadas para o sucesso em cada país. De acordo com especialistas, o ideal é buscar a combinação de ações políticas e programáticas adaptadas às condições locais e acordados pelas partes interessadas em cada país.

Em um relatório divulgado nesta quarta, a FAO recomenda que os governos estimulem a produção de sementes em parceria com escolas, comunidades, grupos de agricultores e cooperativas.

Fonte: Agência Brasil