Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2010 / 07 / Índios ocupam obras de hidrelétrica em Mato Grosso

Índios ocupam obras de hidrelétrica em Mato Grosso

por Mariana Jungmann, da Agência Brasil publicado 26/07/2010 10h41, última modificação 26/07/2010 10h44

Brasília - Cerca de 300 índios de oito etnias diferentes ocupam desde as 5h da manhã de domingo (25) a entrada do canteiro de obras da Usina Hidrelétrica de Dardanelos, na cidade Aripuanã, em Mato Grosso, e impedindo a entrada e saída de 100 trabalhadores que vivem dentro da área.

Eles aguardam uma reunião ainda nesta segunda=feira (26) com representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai). O órgão, entretanto, ainda não confirma o encontro. Na noite do domingo, os índios aceitaram trocar os trabalhadores que mantinham reféns por cinco funcionários da empresa Águas da Pedra, responsável pelas obras.

Segundo o coordenador da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Juína (MT), Antônio Carlos Ferreira Aquino, os índios reivindicam ações de reparação porque a hidrelétrica está sendo construída em cima de um cemitério sagrado para eles. "Eles não querem dinheiro em mãos", explica Aquino. "O que eles querem é um programa de sustentabilidade da área que venha a ressarcir a perda que eles tiveram com esse sítio arqueológico", completa o coordenador da Funai. De acordo com ele, não há violência no local.

Mas o gerente de Meio Ambiente da Companhia Águas da Pedra, responsável pela usina, Paulo Rogério Novaes, diz que tem receio pelos trabalhadores que estão presos dentro da área. "Eles disseram que, se em dois dias não aparecerem autoridades para resolver o problema, vão colocar fogo em todo o canteiro de obras", alega Novaes.

Na versão dele, o que os índios reivindicam são condições sociais melhores, como acesso à educação r à saúde, melhoria das estradas de acesso às aldeias e inclusão no programa Luz para Todos. "São problemas que o Estado tem que resolver, mas eles acham que são responsabilidades da usina", afirma o gerente da Águas da Pedra.

Segundo ele, a hidrelétrica não funcionará com represas e seu impacto ambiental é baixo. Com isso, os índios não seriam atingidos diretamente pela obra, uma vez que a aldeia mais próxima fica a 42 quilômetros de distância. "Mas nós temos um programa de ações mitigadoras que trata de medidas de apoio social. Só que esse programa foi entregue à Funai em 2005 e até hoje não obtivemos resposta. Queremos fazer alguma coisa, mas estamos esperando para saber o que e como", alega Novaes.
A conclusão das obras da Usina de Dardanelos está prevista para até o fim deste ano. A expectativa tanto do coordenador da Funai quanto do gerente da Águas da Pedra é que autoridades do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), do Ministério de Minas e Energia e da Funai, em Brasília, cheguem à região no norte de Mato Grosso nesta segunda-feira (26).