Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2010 / 05 / Decisão do Supremo acaba com chance brasileira no Conselho de Segurança da ONU, diz Fábio Konder

Decisão do Supremo acaba com chance brasileira no Conselho de Segurança da ONU, diz Fábio Konder

por Gilberto Costa*, da Agência Brasil publicado 01/05/2010 15h15, última modificação 01/05/2010 15h26

Brasília – O jurista Fábio Konder Comparato, que formulou ação contestando a Lei da Anistia (Lei 6.683/79), acredita que a decisão de não revisar a legislação que perdoou crimes comuns cometidos por agentes do Estado durante o período militar é um "escândalo internacional".

A sentença do Supremo Tribunal Federal (STF) foi dada na quinta-feira (29). A ação foi proposta pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

"O Brasil é um país de duas faces. Lá no exterior, nós somos civilizados e respeitadores dos direitos humanos, sorridentes e cordiais. Por dentro, nós somos de um egoísmo feroz", analisou. "Isso é um escândalo internacional. Nós somos o único país da América Latina que não julgou inválidas essas anistias."

No Peru e no Chile, as leis de anistia foram revistas após julgamento na Corte Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Comparato acredita que o Estado brasileiro será condenado, na Corte Interamericana de Direitos Humanos, por causa da prisão arbitrária, tortura e desaparecimento de 70 pessoas na Guerrilha do Araguaia, na década de 1970. O julgamento na Corte está previsto para os dias 20 e 21 de maio.

Na avaliação do jurista, a condenação na Corte vai afetar pretensões da chancelaria brasileira. "Com isso cai por terra todo o projeto do Itamaraty de fazer com que o Brasil ocupe uma cadeira permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas."

Para Criméia Almeida, da Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos de São Paulo, o resultado do julgamento "era esperado". "O Poder Judiciário tem a postura a favor da impunidade", afirmou.

Segundo ela, a decisão de ontem "faz o que o João Batista de Oliveira Figueiredo [último presidente militar, que assinou a Lei da Anistia] não teve coragem de fazer". "O ex-presidente foi mais dissimulado. A lei não diz que estão anistiados quem cometeu crime comum."

Para o presidente do Clube Militar, general Gilberto Barbosa de Figueiredo, o Supremo não poderia tomar outra decisão. Em sua opinião, "ficaria complicado" rever o alcance da Lei da Anistia. "Seria uma reviravolta", comentou.

*Colaborou Carina Dourado, repórter da TV Brasil