Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2009 / 05 / Ajuda às vítimas da chuva no NE inspira cuidados para evitar desvios

Ajuda às vítimas da chuva no NE inspira cuidados para evitar desvios

No Ceará, doações não são liberadas aos municípios até que fique comprovado o estado de calamidade pública
por João Peres, da RBA publicado 27/05/2009 19h40, última modificação 28/05/2009 11h20
No Ceará, doações não são liberadas aos municípios até que fique comprovado o estado de calamidade pública
O autor da foto vai aqui

Casas atingidas pela enchente do rio Mearim, no interior do Marahão (Foto: Antônio Cruz.Agência Brasil)

O destino da ajuda humanitária entregue às vítimas das inundações no Nordeste é motivo de cuidado. Mais ainda depois que um empresário de Santa Catarina foi acusado de vender por R$ 1 alimentos, roupas e sapatos que deveriam ser entregues como doações aos afetados pelas enchentes do ano passado no estado. Ismael Evelson Ratzkob, de 37 anos, foi detido na semana passada acusado de comandar o esquema que pode ter a participação de funcionários públicos.
Para evitar que o episódio se repita agora no Nordeste, precauções estão sendo adotadas. No Ceará, um dos estados mais atingidos pela chuva, com 17 mortes até agora, todo município que decreta calamidade pública é visitado pela coordenadoria estadual de Defesa Civil ou por um representante da Secretaria Nacional de Defesa Civil. Apenas depois de confirmada a emergência é que a cidade passa a receber as doações. A triagem do número de cestas básicas necessárias para cada município é feita pelo Corpo de Bombeiros e por procuradores de Justiça. Até agora, o estado recebeu 317 toneladas de alimentos.
No Maranhão, que tem 108 municípios em estado de calamidade pública, a fiscalização é mais difícil. Segundo o Major Abner Carvalho, coordenador de Comunicação da Defesa Civil maranhense, a distribuição dos donativos é feita de acordo com as prioridades estabelecidas pelo próprio órgão.
Ele admite que, ainda que a Defesa Civil estadual tente acompanhar todas as ações, a demanda muito grande torna impossível que cada caso receba a mesma atenção. Até agora, os municípios foram os responsáveis pela distribuição das 850 toneladas de alimentos que chegaram ao estado. O major aponta que, no momento, além de alimentos, os afetados pelas enchentes precisam de material de limpeza porque, como a água começa a baixar em algumas regiões, é hora das famílias retornarem para suas residências.
Ao todo, segundo dados do Ministério da Integração Nacional, 283 mil pessoas estão desalojadas, ou seja, hospedadas nas casas de amigos e parentes, e outras 129 mil estão desabrigadas – tiveram de deixar suas casas e procurar abrigos. São 52 mortes em nove estados.

Apoio aos trabalhos

A Secretaria Nacional de Defesa Civil envia a partir desta quinta-feira equipes de ajuda às populações atingidas pelas enchentes. O Grupo de Apoio a Respostas Humanitárias é formado por policiais e bombeiros de São Paulo, Minas Gerais, Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Roraima e Distrito Federal.
A intenção é ajudar nas ações de assistência e auxiliar as coordenações estaduais na avaliação dos danos provocados pelas fortes chuvas. Os enviados vão participar do gerenciamento de abrigos e da distribuição de alimentos e água potável.

registrado em: