Fatores de risco

Gestantes, covid-19 e risco de morte: o que as pesquisas apontam

Número de mortes de gestantes e de mães de recém-nascidos em decorrência da covid-19 mais do que dobrou nos primeiros meses deste ano

Wikimedia commons

O número de mortes de gestantes e de mães de recém-nascidos (puérperas) em decorrência da covid-19 mais do que dobrou em 2021 em relação à média semanal de 2020. Segundo o levantamento do Observatório Obstétrico Brasileiro Covid-19, até a primeira semana de abril, foram 289 mortes. Para explicar os riscos de uma gravidez durante a pandemia, O Planeta Azul entrevistou o ginecologista e professor Thomaz Gollop. Na medida em que mais pesquisadores se dedicam a investigar efeitos do novo coronavírus, há achados que se aprofundam, mas também se chega a novas conclusões que fazem cair por terra as suposições anteriores. No comecinho da pandemia, por exemplo, as gestantes não eram consideradas grupo de risco para a covid-19, mas isso mudou quando entidades médicas e especialistas constataram que a chance de essas mulheres evoluírem para quadros mais graves era maior.


Confira o vídeo


Quase 900 bebês morreram de covid-19 no Brasil. Número é mundialmente ‘assustador’


Estudos ainda apontaram para a possibilidade de a placenta das grávidas infectadas apresentarem alterações e de desenvolverem uma condição chamada de pré-eclâmpsia símile. Em casos muito raros, foi identificada uma relação da doença com um quadro clínico que recebe o nome de CIVD, mas a transmissão do vírus para o bebê que está na barriga da mãe permanece uma incógnita.Em abril, o secretário de Atenção Primária à Saúde do Ministério da Saúde, Raphael Parente, pediu que as mulheres adiem a gravidez até haver uma melhora da pandemia, se for possível. “É óbvio que a gente não pode falar isso para alguém que tem 42, 43 anos, mas para uma mulher jovem, que pode escolher um pouco ali o seu momento de gravidez, o mais indicado agora é você esperar um pouquinho até a situação ficar um pouco mais calma”, disse o secretário.

Parente justificou o pedido afirmando que a gravidez é, por definição, uma condição que favorece as tromboses – a formação de coágulos no sangue. A Covid-19 também favorece a ocorrência de tromboses, o que pode tornar a doença ainda mais perigosa na gravidez. Além disso, portaria do Ministério da Saúde recomenda que mulheres grávidas que tenham doenças prévias (comorbidades) recebam a vacinação contra a Covid-19. A indicação é uma mudança em relação a diretrizes anteriores da pasta.

Leia também