Diário do Bolso

¢@%@£#*! Hoje tive que começar com um palavrão

Digo um palavrão porque ontem aconteceram sete coisas ruins pra mim. Sete é conta de mentiroso, mas juro que foi isso mesmo

Ivo Minkovicius

¢@%@£#*! É isso mesmo, Diário. Hoje tive que começar com um palavrão.

É que ontem aconteceram sete coisas ruins pra mim. Sete é conta de mentiroso, mas juro que foi isso mesmo.

1-) Pra começar, o Fachin suspendeu o fim das taxas sobre importação de armas. Pô, o cara é economista agora? Vai se meter no meu negócio? Que raiva! Também, com um nome desses, ele deve gostar é de faca. Abaixo o Fachin, viva o revolvim!

2-) O Biden ganhou mesmo a eleição dos EUA. Vou ter que escrever um bilhetinho pro cara. Mas não quero dar mole, não. Acho que vou mandar um treco tipo: “Ok, você venceu, mas meu coração não é seu”. Até rimou, pô! É poesia de protesto que chama?

3-) Saiu o IDH de 2019, o tal do Índice de Desenvolvimento Humano. O Brasil caiu umas posições. Agora estamos em 84º lugar. Mas e daí? O que importa é o lugar em que a gente vai ficar na Copa do Mundo.

4-) Parece que vão me investigar no Tribunal de Haia. E por causa de índios! Pô, por um motivo tão pequeno… Se ainda fosse pela pandemia. Tem que ver isso direito.

5-) A Cármen Lúcia deu 24 horas pro Augusto Heleno e o Ramagem explicarem os relatórios feitos pro Flavinho. A gente vai dizer que a Abin não sabia de nada. Tanto que foi tudo digitado diretamente no zap-zap e o linguajar não é igual o dos agentes abinistas. O ruim é que as advogadas do Flavinho já confirmaram que o documento veio da Abin. E a gente seguiu três das cinco coisas sugeridas pelo relatório. Mas vamos fazer aquela cara de “Quem peidei? Não sei quem fui” e tudo bem.

6-) Uns famosos morreram de covid esses dias, tipo o técnico de futebol Marcelo Veiga, o ator Eduardo Galvão, e os caras do Roupa Nova e do Fundo de Quintal. Isso é ruim, porque fica na cara que a pandemia tá crescendo. Quando o defunto não é conhecido, tudo bem, porque não dá manchete. Mas esses famosos deixam o clima meio chato.

7-) E, só pra encerrar, tem até poeta fazendo versinho contra mim. Dessa vez foi um tal de Augusto de Campos, que dizem que é concretista (será que é um pedreiro lá de Campos dos Goytacazes?). A poesia é assim: “Já ir/ Já foi/ Já vai/ Já era/ Jair”. Se não fosse comigo, até que eu achava engraçado.

Fui!

Torero

#diariodobolso