Diário do Bolso

Diário, o Moro me ensinou: a gente é que aprova o que vai ser verdade

Ontem eu e meu parceiro ministro fomos no jogo do Flamengo. Tinha um juiz lá que é dos meus. Roubou pra gente, com VAR e tudo

Diário do Bolso / Reprodução
Eu e meu parça Moro acenando pra galera: juiz bom é o que rouba a nosso favor, pô

Diário, ontem aproveitei que o jogo Flamengo X CSA era aqui em Brasília e fui no estádio com o Moro.

Grande noite! Gritaram o nome dele e jogaram duas camisas do Flamengo pra gente.

Depois, durante a partida, quando ainda estava zero a zero, teve uma bola que bateu no bração do Arão, volante do Flamengo, dentro da área. Bem onde a manga da camisa acaba. Foi pênalti claro, mas o VAR entrou em ação. Enquanto estava naquele negócio de marca-ou-não-marca, eu perguntei pro Moro:

– Será que o juiz vai dar pênalti?

O Moro nem teve dúvida:

– Tenho forte convicção de que ele não vai apitar nada.

– Mas foi braço, pô.

– Eu sei. Mas a verdade é que não existe verdade, não é verdade?

– Oi?

– O que eu quero dizer é que não existe verdade absoluta. Se o público gritar bastante, os bandeirinhas não atrapalharem e a Globo disser que não foi nada, o juiz vai deixar pra lá.

– Será?

– Esse negócio de justiça depende menos do fato que da circunstância.

– Estou vendo aqui no celular que o pessoal da Globo disse que não foi pênalti.

– Então o juiz não vai dar nada mesmo.

– Mas e a imagem do VAR? Não é uma prova?

– Prova só é prova se a gente aprova.

– Oi? Hoje você está meio filósofo. Explica direito.

– Presidente, o que eu quero dizer é que tem coisa que não prova nada, mas aí a gente aprova e ela vira prova. Entendeu?

– Você ainda está falando do pênalti?

– He, he…

– Olha lá! O jogo continuou! O cara não deu nada mesmo, apesar das evidências! Roubou pra gente! Grande juiz!

– Obrigado, presidente.

No Facebook: @diariodobolso