Luiz Marinho

Distritão: a mais nova jabuticaba da direita para manter sua boquinha

Distritão é favorecer o poder dos que possuem fortunas, dos que manuseiam dinheiro vivo. A lavagem de dinheiro fará ainda mais mandatos Brasil afora

Pixabay
Direita quer quer transformar a política em palco de celebridades e os partidos em cartórios

A mudança do sistema de votação para cargos proporcionais (deputados federais e estaduais e vereadores), em gestação por partidos de direita no Congresso Nacional, é mais uma tentativa de golpe na já tão atacada democracia brasileira. O “distritão”, como está sendo chamado o modelo, busca romper com o princípio da representatividade proporcional.

Significa dizer que as pequenas regiões nos estados estarão condenadas a não mais eleger representantes para o Congresso Nacional ou para as assembleias legislativas. É uma questão matemática. As regiões mais populosas terão sempre os candidatos mais votados. Haverá uma hiper concentração de representatividade.

A proposta também busca evitar a renovação. É claro que aqueles que já são deputados ou deputadas têm mais exposição do que aquelas pessoas que buscam o seu primeiro mandato. Ou seja, a ideia nada mais é do que querer defender o seu próprio interesse. Nada tem de aprimorar o sistema. Querem, na verdade, a manutenção das suas boquinhas.


Leia outros artigos do autor


Os defensores dessa proposta querem transformar a política em um palco de celebridades. Onde a história política das pessoas – sejam de qual matiz ideológico for – passa a não ter valor. Transformam os partidos políticos, ainda mais, em cartórios que recepcionam personalidades, que eleitos geram recursos do fundo partidário para suas direções. É o fim da política.

Aprovar o “distritão” também é favorecer o poder econômico daqueles que possuem fortunas, ou, o que é pior, dos que manuseiam dinheiro vivo. Aliás, gente que vive, em sua imensa maioria, à margem da lei. Com isso, o crime organizado e outros segmentos que lidam com fortunas em dinheiro vivo, que infelizmente já estão presentes na política brasileira, ficarão ainda mais fortes. A lavagem de dinheiro fará ainda mais mandatos Brasil afora.

A bancada do PT no Congresso Nacional tem posição firme contra esta proposta. Mas não será suficiente para barrá-la, se não houver uma forte mobilização contra. Por isso, é importante que nossa militância faça esse debate. Que mostre que estão querendo evitar o surgimento de novas lideranças, condenando os segmentos sociais e as pequenas e médias cidades a não terem mais representantes para defender os seus legítimos interesses.