Home BlogsBlog na Rede O mundo como o conhecemos ruiu, mas não aceita ser enterrado
cena final

O mundo como o conhecemos ruiu, mas não aceita ser enterrado

Não apenas nós, sulamericanos, vivemos na completa incerteza acerca do futuro próximo. Os britânicos estão sem rumo e a União Europeia assiste, atônita, a construção da nova rota da seda
Publicado por Manuel Domingos Neto*
13:37
Compartilhar:   
CC0 Creative Commons / pxhere
china.jpg

Pensemos nos britânicos sem rumo e na União Europeia sem futuro, assistindo atônita a construção da nova rota da seda e convivendo com potências nucleares no seu entorno!

Imaginemos o frio na espinha das elites francesas e alemãs diante da colossal infraestrutura chinesa chegando aos portos italianos e ao Leste europeu, acessando o seu velho quintal, hoje o florescente mercado africano!

A ordem mundial vigente está esgotada. O mundo unipolar ruiu, mas não aceita ser enterrado.

A última grande mudança nesta ordem demandou duas guerras e mais de cem milhões de mortos.

O saldo foi a submissão da Europa a uma ex-colônia e a emergência de um novo grande experimento societário, simbolizado pela URSS.

A Guerra Fria, continuidade da “guerra quente”, parece não ter acabado com a queda do muro. Passou a viger o equilíbrio instável na sombra da ameaça de um apocalipse nuclear.

Lutemos pela paz. Ao lado da recusa à regressão imposta a nosso país e ao conjunto das ex-colônias ibéricas, seguremos a bandeira do entendimento mundial.

Não gosto da palavra “civilização” por ser muito enganosa: encerra promessas que não pode cumprir. Encobriu etnicídios, genocídios e a diáspora africana.

Mas, diante das ameaças de atrocidades de dimensões incalculáveis, compreendo os apelos dos que pedem a preservação de “conquistas civilizatórias”.

A guerra é o pior dos tormentos. É a bestialidade feroz ridiculamente travestida de nobreza.

Não acredito em paz perpétua ou harmonia universal. Isso não combina com o capitalismo, em cujo espírito está a competição sem tréguas nem limites.

Pensando no Brasil, o pior legado do golpe de 2016 foi reforçar o poderio arquejante e ensandecido das ex-colônias britânicas na América unificadas hoje pelo poder de Washington.

Onde estava a cabeça dos generais brasileiros ao optarem por um lance estratégico tão infeliz?

O povo fala mal de políticos e juízes. Mas, definitivamente, o Brasil não formou generais à altura de nosso povo.

O governo endossado pelo militar brasileiro, fragilizando o BRICS e detonando a UNASUL, contribuiu para alimentar o desentendimento mundial.

Mesmo sabendo que novas ordens resultam de brutalidades, não me sinto razoável desistindo do entendimento entre Estados e sociedades.

*Historiador e doutor em História pela Universidade de Paris

registrado em: , , ,