Eleições 2018

José de Abreu e Patrícia Pillar contestam apoio de Regina Duarte a Bolsonaro

'Ninguém mais trabalha sossegado com essa ameaça de trevas sobre nossas almas sensíveis', disse o ator por meio do Twitter

Reprodução
ZehdeAbreu.jpg

José de Abreu se manifestou pelo Twitter para contestar o apoio de Regina Duarte a Bolsonaro

A atriz Regina Duarte visitou nesta sexta-feira (12) o candidato a presidente da República Jair Bolsonaro (PSL). O presidenciável não tardou a circular nas redes sociais uma foto sua com a estrela global, causando reações não apenas entre os internautas, mas também em colegas de profissão da artista.

José de Abreu, intérprete de Dodô em Segundo Sol, novela da Rede Globo, postou em seu perfil do Twitter: “Respeitei a posição de enquanto ela apoiava a direita democrática com Serra, Alckmin, FHC, Dória. Quando apoiou o impeachment. Mas não respeito artista que apoia fascista. O fascismo ODEIA nossa profissão e nossa classe. Elimina quem discorda e quem é ‘diferente'”.

Em outra postagem, ele também contestou uma fake news a respeito do auxílio-reclusão publicada por Regina Duarte. “Oi, colega @reginaduarte. Bolsa-presidiário existe desde 1991. Sei que você é meio esquecida, não consegue decorar texto há muitos anos (inaugurou o uso de ponto eletrônico para atores na Globo), mas ‘dar um Google’ evitaria de você passar fake news do fascista que você apoia”, diz o texto.

Em relação à mesma postagem, a atriz Patrícia Pillar postou um texto na parte de comentários da publicação contestando o apoio da colega a Bolsonaro. “Administrar um país tão complexo como o nosso não é fácil e muitos erros foram cometidos. Mas você acha que a solução neste momento é votar em um candidato que nunca administrou uma rua sequer? Que se apresenta como o salvador da Pátria’, mas não tem o menor conhecimento sobre economia, saúde e educação? A apologia à violência que ele prega nos trará ainda mais violência. Violência esta que já pode ser sentida hoje em nossas ruas. Falo aqui principalmente das minorias, pretos, pobres, LGBTIs, índios etc. Um governo ruim que pode ser trocado em 4 anos, mas a destruição do nosso tecido social poderá levar décadas. Pense nisso com carinho”, concluiu.