Home Blog do Velho Mundo Neoliberalismo é religião. E da pior espécie, a messiânica
Apocalíptico

Neoliberalismo é religião. E da pior espécie, a messiânica

O neoliberalismo faz água e pega fogo (milagre!) no mundo inteiro, mas nada disto demove seus sacerdotes em seus mantras e mandingas que só produzem desgraças
Publicado por Fabio M Michel, da RBA
08:56
Compartilhar:   
Cleber de Oliveira/Futura Press/Folhapress)

Protesto em Santiago contra custo de vida no Chile. Privatização até de direitos essenciais causa convulsão social, sem previsão de acabar

Em matéria de movimentos religiosos há dois movimentos tectônicos, isto é, profundos, que de vez em quando afloram: o profético e o messiânico.

O movimento profético, em geral, é mais progressista: olha para o futuro. Os profetas bíblicos não praticavam as artes da adivinhação. Mais corretamente, praticavam a advertência e a previsão. Pode-se resumir muito de seus escritos (a eles atribuídos) a uma fórmula mais ou menos assim: “olhem para o mal que estão fazendo; e se assim continuarem, vejam no que vai dar”. São reformadores sociais, Isaías à frente, que condena aquele que não ouve o pranto e a queixa do órfão ou da viúva, símbolos do abandono.

Já o movimento messiânico olha para o futuro mirando um espelho retrovisor. Quer reinstalar um paraíso perdido e, ao não conseguir seu intento, atribui a falha à falta de fé suficiente por parte dos praticantes, vendo no fracasso o sinal de que novas tentativas são necessárias para trazer de volta o reino de Deus. Os poderes da restauração se concentram num enviado que, de fracasso em fracasso, vai se reencarnando em novas versões que protagonizam estas novas tentativas.

O neoliberalismo e seus crentes agem desta segunda forma. Só que neste mundo laico da política moderna, a tradicional figura do messias é substituída ou pelo menos acompanhada pelos sacerdotes – economistas – que repetem à exaustão as fórmulas fracassadas. E fazem seus crentes carentes acreditarem que estão no rumo certo, graças à fé que têm em suas fórmulas cabalísticas.

O neoliberalismo faz água e pega fogo (milagre!) no mundo inteiro. Afogou e incendiou o Chile, o Equador, o Haiti, está incendiando o Líbano, devastou grande parte da África, mergulhou o México e a Argentina em crise após crise e vai imbecilizando os Estados Unidos do Alaska ao Rio Grande (Bravo, para os mexicanos), além de ter fraturado a Europa, levado o Reino Unido ao impasse do Brexit e a este “buraco sem fundo” chamado Boris Johnson.

Mas nada disto demove os sacerdotes da fé neoliberal em seus mantras e suas mandingas que só produzem desgraças. Permanecem eles surdos – confirmando o anátema de Isaías – aos queixumes do povo que vão torturando com suas austeridades que não levam a lugar nenhum, somente ao arrocho das vidas dos cidadãos e cidadãs comuns, abrindo a ferro e fogo suas mentes para os algoritmos da enganação.

Há assim um traço profundo de união entre neoliberalismo e este neo-pentecostalismo que grassa no Brasil e nos Estados Unidos, além de alhures, estas religiões do sucesso barato e imediato das rezas repetidas à exaustão mental dos que nelas crêem. Ninguém reproduz melhor esta imagem do que a trindade que tomou conta do espaço federal brasileiro: Messias – Guedes – Moro, com sua corte de apóstolos que reúne desde o maçônico Mourão ao prestidigitador da destruição do meio ambiente, o ministro Salles, e a milagreira Damares, a menina da goiabeira ardente. E muitos e muitas outras.

Nunca um governo foi tão inepto, nunca um governo produziu tão pouco – ou tão nada – em matéria de medidas efetivas e eficazes para combater a crise que vivemos. Nem na República Velha, nem na Ditadura de 64, nem mesmo nas Capitanias Hereditárias.

Apontem-me algo de bom que este governo tenha produzido nestes dez meses de desastres e perversidade contínuas que eu fecharei este blogue para sempre.

Messianicamente o governo vive numa bolha passadista, requentando imagens da Guerra Fria para alimentar a fé de seus correligionários mais empedernidos; ou fica repetindo a reza da Reforma da Previdência, enquanto estende uma cortina de fumaça (o termo é adequado) sobre o que acontece no vizinho Chile e na vizinha Argentina.

Ao mesmo tempo, assopra as velas de réquiem, pensando que são brasas, da finada Operação Lava-Jato que, como um zumbi, vai continuar a nos aterrorizar com suas assombrações por muito tempo, mas já é letra-morta.

Atenção: como costuma acontecer com os movimentos messiânicos, eles só se consumam e se consomem pelo desastre catastrófico a que levam. Teremos, depois, de reerguer o país das cinzas. Literalmente.