Home BlogsBlog do Velho Mundo A União Europeia desce aos infernos
'brexit'

A União Europeia desce aos infernos

A UE parece hoje muito mais um condomínio gerido por e para um sistema financeiro que dobrou as soberanias nacionais em função de seus próprios projetos e da gerência de suas dificuldades
Publicado por Flávio Aguiar, para a RBA
10:33
Compartilhar:   
© FinancTrh / reprodução
brexit.jpg

Permaneça ou não o Reino Unido na União Europeia, continente atravessa crises econômicas, sociais e humanitárias profundas, com potenciais para radicalizações xenófobas e perspectivas sombrias

Hoje (quinta-feira 23) é dia de plebiscito no Reino Unido sobre a permanência ou não na União Europeia (UE). O país está rachado (mais que dividido), os nervos em todo o continente estão à flor da pele, os ânimos estão acirrados. As últimas pesquisas dão resultados apertados, para uma ou outra proposta, sair ou ficar. Esta semana registrou um avanço do ficar, graças ao impacto do trágico assassinato da deputada trabalhista Jo Cox por um extremista de direita.

As campanhas mostram, para além do empenho de ambos os lados, o mal-estar que tomou conta do continente nos anos recentes. A campanha do “sair” foi sendo progressivamente ocupada por referências de extrema-direita: xenofobia, medo ante a chegada de mais imigrantes do antigo Leste europeu ou de refugiados do Oriente Médio e áreas próximas, desejo de afirmação de uma soberania ampliada frente às instituições da UE (Parlamento, Comissão, Conselho e Banco Central Europeu).

Segundo analistas britânicos, há até um elemento de nostalgia imperial britânica, pois alguns dos líderes do “sair” têm seguidamente falado na antiga proeminência mundial da velha Albion (nome clássico da Inglaterra na Antiguidade). Talvez isto explique um desenho curioso que as pesquisas vêm apontando: na Inglaterra (England, stricto sensu) propriamente dita, o “sair” tem mais sucesso do que nos “territórios associados”, ou seja, País de Gales e Escócia.

O campo de referência do “sair” é uma classe média “high brow” (de elite, alta classe média), ciosa de suas prerrogativas que sente ameaçadas pelas levas de estrangeiros que chegam “aos magotes”; ou uma classe média baixa, que se sente ameaçada em seus empregos e futuro pelo mesmo motivo. Também há neste campo trabalhadores de média e baixa renda que se sentem ameaçados pela mesma razão. Ou seja, por mais que os líderes do “sair” esperneiem em contrário, o que une e consolida a proposta é o medo e a xenofobia.

Do lado do “ficar” a situação também é complicada. Os argumentos apresentados se baseiam igualmente no medo, não em algo positivo. O establishment financeiro do país, com a chamada City Londrina à frente, se posicionou contra o “sair”. Motivo: saindo da UE, o Reino Unido teria de refazer acordos, não só com os países membros, mas também com os Estados Unidos, a Ásia (China, Japão e Índia, sobretudo), além de reposicionamento na OCDE, na OMC… Enfim, perda de tempo, o que se traduz por perda de lucros.

Os conservadores estão divididos. O primeiro-ministro, David Cameron, está a favor de “ficar”, mas há muita dissidência entre seus correligionários, que se sentem pressionados pelo avanço do separatista Ukip (Partido da Independência do Reino Unido).

Entre os trabalhistas as dissidências são menores, embora também as haja, porque o setor mais à esquerda, hoje no comando, liderado por Jeremy Corbin, acabou chamando o voto para “ficar”. Para o “establishment de esquerda” a conclusão é óbvia: se houver reajustes devido à vitória do “sair”, quem vai pagar a conta serão os trabalhadores; a City Londrina vai se acomodar, e não perderá o apoio dos outros grandes centros financeiros.

Este desenho mostra que a questão está sendo abordada por argumentos que são sempre “do contra”. Os argumentos dos “saintes” são suicidas: a Europa, um continente em envelhecimento rápido, não sobrevive sem as divas de novos migrantes. Mas os dos “ficantes” não têm nada de positivo a oferecer, senão a ideia de que se não “ficarmos”, tudo será muito pior.

Uma conta muito negativa para uma proposta (a UE) que se apresentava, quando de sua adoção, em novembro de 1993, como uma conquista da humanidade em um continente historicamente devastado por guerras fratricidas e contínuas.

A UE parece hoje muito mais um condomínio gerido por e para um sistema financeiro que dobrou as soberanias nacionais em função de seus próprios projetos e da gerência de suas dificuldades. Nada de muito entusiasmante.

O que fomenta os movimentos xenófobos e de extrema-direita, que, independentemente do resultado de hoje, vão continuar sua escalada.