Necrocracia

Ovelhas ao matadouro

O povo continua como vítima da infecção que a elite econômica nos trouxe a partir de suas viagens/negócios internacionais, com a agravante de que, na elite, a crise parece ter passado

Semop
Profissionais da saúde estão entre as principais vítimas da covid-19

“Amazônia bate novo recorde nos alertas de desmatamento em junho; sinais de devastação atingem mais de 3000 km² no semestre, aumento de 25%.”

“Mortalidade infantil volta a crescer no Brasil após 13 anos.”

“Com 2,5 milhões de casos, Brasil passa dos 90 mil óbitos.”

Esses são dados do que um amigo meu chama de “necrocracia.”

Ao trazer à tona esses dados, meu amigo faz questão de dizer que o governo federal está cumprindo seu programa, que ele intitula de “necrocracia”: a morte para perpetuar-se no poder. E – continua ele – nisso, os resultados são inegáveis.

E o pior, a meu ver, é o aparente descaso com tudo isso.

Dá a impressão de que o nosso povo se conformou com um destino que lhe parece inexorável.

O Estado e suas instituições simplesmente assistem impassíveis ao avanço da morte. E fazem ouvidos de mercador à grita dos profissionais de saúde, que continuam a morrer num índice superior à média mundial.

O povo, por sua vez, continua como vítima da infecção que a elite econômica nos trouxe a partir de suas viagens/negócios internacionais, com a agravante de que, na elite, a crise parece ter passado, sobrando a grande mortalidade para a maioria composta pelos vulneráveis.

O que, inclusive, corrobora com o projeto de higienização desde há muito levado a efeito pela chamada elite brasileira.

O apóstolo Paulo dizia que na nossa luta pela justiça, muitas vezes éramos conduzidos como ovelhas ao matadouro.

Ao olhar para o povo brasileiro, essa imagem salta ao coração. Ccontudo, a impressão que se tem é a de que o povo brasileiro está sendo conduzido ao matadouro, não como consequência da sua luta pela justiça, mas como consequência de não estar lutando por mais nada.

Leia também:

Quase 10 milhões de testes para a covid-19 estão parados no Ministério da Saúde por falta de insumo