Home Blogs O desencanto com a direita na América Latina
O bolo não cresce

O desencanto com a direita na América Latina

As receitas macroeconômicas dos líderes liberais (ou ultraliberais) não estão produzindo os frutos esperados pelos eleitores
Publicado por Glauco Faria, para a RBA
14:03
Compartilhar:   
Wikimedia Commons / chensiyuan (CC)

Publicado em CTXT Jair Bolsonaro no Brasil, Sebastián Piñera no Chile, Iván Duque na Colômbia e anteriormente Mauricio Macri na Argentina se tornaram os estandartes da nova onda neoliberal que deu início à prodigiosa década da direita latino-americana.

No entanto, apenas um ano após sua ascensão ao poder, a situação econômica, as greves e os movimentos sociais começam a cercar os principais líderes liberais da região.

Durante os anos de 2017 e 2018, os eleitores escolheram esses candidatos sob a promessa de melhorar a situação econômica de seus países e combater a corrupção. Após o período de graça, esses políticos não conseguiram reverter a recessão econômica e seus índices de popularidade são baixos.

Macri tentará resistir ao retorno de Kirchner

Na Argentina, Mauricio Macri e sua aliança eleitoral “Cambiemos” venceram as eleições presidenciais de 2015 com a promessa de levar adiante uma receita econômica bem sucedida e depurar a corrupção herdada do governo anterior de Cristina Elisabet Fernández de Kirchner.

Três anos e meio após sua posse, o peso argentino é a moeda emergente mais desvalorizada do mundo e a inflação aumentou 57,3% em relação ao mesmo período do ano passado, ficando no ranking das três maiores do mundo, atrás da Venezuela e do Zimbábue.

As consequências dessa grave crise econômica, que o empresário e ex-presidente do Boca Juniors descreve como “tempestade internacional perfeita”, são devastadoras. Hoje existem 14,3 milhões de argentinos vivendo abaixo da linha da pobreza e quase metade das crianças são pobres (46,8%), os números mais altos da última década.

Diante desse contexto socioeconômico, a tensão nas ruas está crescendo e sindicatos e movimentos sociais pedem unidade de ação, algo que parecia utópico há poucos meses.

Um exemplo claro desse clima de protestos é a greve geral que ocorreu em 29 de maio em todo o país. Das seis greves gerais que o presidente da Argentina enfrentou, a segunda foi sem dúvida a mais unitária e mais destacada.

Em Buenos Aires, o transporte público não funcionou; universidades e escolas não ensinavam e praticamente todas as lojas permaneceram fechadas, assim como hospitais (exceto emergências) e bancos. A greve também teve consequências internacionais, já que todo o transporte aéreo e rodoviário foi paralisado.

Nestas condições, Mauricio Macri já apresentou sua candidatura à reeleição nas próximas eleições presidenciais que ocorrerão durante o mês de novembro. Para isso, ele adotou como candidato a vice-presidente o ex-peronista Miguel Ángel Pichetto, com quem pretende expandir a base de seus eleitores para a centro-esquerda.

A seu favor, as previsões econômicas positivas que o FMI desenha para os próximos meses e a ameaça de fundos nacionais e internacionais de retirar seus investimentos caso seu rival direto, a coalizão integrada por Cristina de Kirchner e liderada por Alberto Fernández, vença as eleições.

Professores tomam as principais cidades do Chile

Do outro lado dos Andes, a situação não é muito promissora para o presidente chileno Sebastián Piñera, sobre o qual recai a sombra de uma greve geral como a organizada no país vizinho.

Nesse caso, são os professores que lideram os protestos em massa contra a precariedade dos serviços de educação pública e as condições de trabalho dos profissionais.

As escolas públicas estão paralisadas desde o último dia 3 de junho, quando os professores declararam o início de uma greve por tempo indeterminado que ainda não terminou.

Os professores exigem que o governo pague a indenização que o Estado deve a alguns professores desde 1980, ano em que a ditadura militar de Pinochet transferiu os poderes das escolas para as administrações municipais. Além disso, eles reivindicam um bônus para professores que trabalham com alunos com necessidades especiais e o fim de uma dupla avaliação que consideram desnecessária.

Outra das demandas mais importantes que tem apoio praticamente unânime na sociedade chilena é a rejeição da mudança curricular aprovada pelo Ministério da Educação. De acordo com essa modificação, as disciplinas de Educação Física e História deixam de ser obrigatórios nos últimos dois anos do ensino médio.

Em resposta às manifestações e protestos liderados pelo Colégio de Professores, o corpo de Carabineros prendeu vinte professores na última terça-feira por ocupar uma das principais avenidas de Santiago, entre as quais estava o líder daquela instituição, Mario Aguilar.

No entanto, antes do início desses protestos, várias pesquisas reconhecidas já indicavam que o presidente chileno estava passando por uma crise de popularidade alarmante, o que o levou a demitir quase metade de seus ministros e renovar profundamente seu gabinete.

Essa diminuição no apoio também se deve ao fato de que o empresário bem sucedido não conseguiu atender às expectativas econômicas que propôs em sua campanha eleitoral. A justificativa vinda do La Moneda atribui a culpa à queda no preço do cobre e um contexto de recessão internacional.

Iván Duque e o processo de paz na Colômbia

Em 2017, o agora presidente colombiano Iván Duque publicou no Twitter que “a Colômbia é o país da América Latina onde a popularidade do presidente está abaixo do IVA (Imposto sobre Valor Agregado, na Colômbia, em torno de 16%)”, irônico com a baixa aceitação do então presidente Juan Manuel Santos.

Dez meses e meio depois de sua posse, o político e o advogado não está tão longe de transformar essa brincadeira em realidade, já que, de acordo com a pesquisa divulgada pelo Gallup Poll, sua popularidade caiu para 29% em junho deste ano.

O governo colombiano parece ser vítima de uma paralisia institucional e política que não permite ao Executivo realizar seus próprios programas, já que não tem maioria em nenhuma das câmaras legislativas.

A principal crítica de Iván Duque é baseada na violação dos acordos de paz que vieram à luz durante a legislatura anterior. Muitos de seus oponentes consideram que o governo tenta sabotar tais acordos.

Uma das medidas mais divulgadas durante a campanha eleitoral de Duque foi a apresentação de objeções a esses acordos de paz, incluídos na Jurisdição Especial para a Paz. No entanto, em maio passado, o Tribunal Constitucional rejeitou essas objeções e deixou o presidente sem sua principal bandeira política.

A estes fatos deve ser acrescentado que, de acordo com os dados mais recentes, a economia colombiana sofre a mesma estagnação que o Executivo. A taxa de desemprego é de 10,5%, a mais alta desde 2012, e o crescimento econômico é de 2,8%, bem abaixo dos 3,5% previstos pelo governo até o final do ano.

Um futuro incerto para a região

Assim, embora a maioria desses líderes liberais tenha um grande histórico no mundo dos negócios e tenha grandes fortunas em seus diferentes países, tudo indica que suas receitas macroeconômicas não estão dando os frutos esperados pelos eleitores.

Exceto Macri, o restante dos políticos dessa nova “onda neoliberal” tem a vantagem de que as próximas eleições estão longe e que a oposição não representa, até agora, uma ameaça real. Mesmo assim, tempos difíceis estão previstos para a direita na América Latina.