Home Blogs Descobri o grande problema do meu governo, Diário: erros de digitação
"diário do boldo"

Descobri o grande problema do meu governo, Diário: erros de digitação

A gente não pode esquecer uns zeros, não pode trocar umas letras que já começam a fazer piada. Isso é marcação cerrada, pô. A gente fica até magoado
Publicado por Fabio M Michel, da RBA
12:33
Compartilhar:   
Diário do Bolso/Reprodução

Por causa desse “Boldonaro”, vou ter que aguentar um monte de gracinhas. Vão dizer que eu sou bom pro fígado, que eu ajudo na digestão e que sou motivo de “chá cota”

Caro Diário do Boldo, digo, do Bolso, finalmente descobri qual é o grande problema do meu governo: erros de digitação!

Parece brincadeira, mas pode conferir. Toda crise começa por causa de uns errinhos de digitação.

Ontem aconteceu de novo. Os nossos bots do twitter (que custam uma nota!) escreveram #BoldonaroNossoPresidente. Trocaram um “s” por um “d” e a coisa virou assunto. A hashtag ficou entre os assuntos mais comentados no mundo. E com a ajuda dos esquerdopatas, que aproveitaram para zoar comigo.

Estou me sentindo que nem o Sidão, do Vasco, que falhou feio e ganhou prêmio de melhor jogador em campo, só porque a torcida do Santos resolveu tirar sarro do cara.

Mas é sério, Diário, o nosso problema é a digitação.

O Eduardo escreveu “posso” em vez de “poço”.

O Carluxo escreveu “raíses” com “s”, “excessões” com “ss” e tascou um “felpudas” em vez de “polpudas”. Mas esse último, pelo menos, foi um erro fofo.

O Moro digita errado quando fala. Ele disse “conge” em vez de “cônjuge”, “sobre” em vez de “sob” e “vim” em vez de “vir”. Fiquei até pensando: será que na verdade o nome dele é Sérgio “Moura” e a vida toda ele se apresentou errado? Melhor nem perguntar.

O Weintraub falou “Kafta” em vez de “Kafka” e escreveu “insitaria” com “s”. Mas o pior é que ele também tem problema com números, porque trocou 30 por 3,5 (naquela história do corte dos chocolates) e disse todo convencido que um teste do Inep custaria só 500 mil reais, mas o preço certo era 500 milhões.

Que marcação cerrada, Diário! A gente não pode esquecer uns zeros, não pode trocar umas letras que já começam a fazer piada.

Hoje, por causa desse “Boldonaro”, vou ter que aguentar um monte de gracinhas. Vão dizer que eu sou bom pro fígado, que eu ajudo na digestão e que sou motivo de “chá cota”.

Eu fiquei até com vontade de postar no Twitter que os únicos problemas do meu governo foram os erros de digitação. Mas aposto que algum comuna metido a palhaço ia dizer que o erro foi o povo digitar “17” na urna eletrônica. Então achei melhor deixar quieto.

Mas que eu estou magoado, eu estou.

O pessoal esquece que errar é umano.