Brasília

Boas práticas no SUS são destaque em encontro nacional de saúde

Ministro da Saúde anuncia mais recursos para atenção básica em 2014 para infraestrutura, ampliação do acesso aos serviços e qualidade do atendimento. Mostra reúne trabalhadores e usuários em debates

Ministério da Saúde
chioro_ascom_saude.jpg

Ministro da Saúde afirma que 45 milhões de pessoas foram incluídas na atenção básica

Brasília – A 4ª Mostra Nacional de Experiências em Atenção Básica/Saúde da Família, realizada em Brasília pelo Ministério da Saúde, reúne cerca de 10 mil profissionais, gestores e usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) para promover até amanhã (15) a troca de experiências sobre as práticas de saúde na Atenção Básica no país.

O evento faz do trabalhador e dos usuários da atenção primária protagonistas das apresentações e discussões, em um tom diferente de outros encontros, que priorizam o debate entre pesquisadores, professores e intelectuais. A mostra conta com mesas redondas, minicursos, oficinas, palestras, espaços para apresentação e discussão de experiências e atividades culturais.

“A realização dessa mostra, numa área em que contamos com quase um milhão de trabalhadores, é de fundamental importância. Esse encontro contribuirá para a reflexão e constante melhoria na promoção do cuidado em saúde nos serviços que constituem o principal ponto de contato dos usuários com o SUS”, disse o ministro da Saúde, Arthur Chioro, durante a cerimônia de abertura. “Nos últimos anos, levamos a atenção básica para 45 milhões de pessoas que não tinham acesso”, completou Chioro, destacando que os investimentos na área vêm crescendo ano a ano. A previsão para 2014 é de que sejam destinados cerca de R$ 18 bilhões em melhorias na infraestrutura, no acesso e na qualidade do atendimento primário em saúde. Em 2013, o Ministério da Saúde destinou R$ 16,1 bilhões para a atenção básica.

Realizado a cada cinco anos, o evento terá a apresentação de 4.351 experiências bem sucedidas e trabalhos que poderão ajudar na formulação de políticas públicas para serem incorporadas ao SUS.

Os temas das apresentações vão desde saúde bucal, atenção à saúde de mulheres e gestantes, homens, idosos, crianças e adolescentes, saúde mental, saúde na escola e práticas integrativas e complementares do SUS. Nas mesas redondas, serão discutidos os resultados e as perspectivas, a educação permanente e a formação profissional na prática das equipes e desafios do programa Mais Médicos. Já as oficinas e os minicursos abordarão, entre outros temas, a qualidade da saúde indígena na Rede de Atenção à Saúde, o cuidado à pessoa com deficiência, da pessoa com tuberculose e do trabalhador, a atenção nutricional e a assistência farmacêutica na atenção básica.

Militância

A presença maciça de estudantes, jovens militantes e integrantes de coletivos e movimentos sociais reafirma a atualidade da luta pela saúde pública brasileira como direito. A diversidade de atores refletirá no conteúdo da programação, que apresentará a saúde para além da necessidade de médicos e remédios. Uma ampla agenda cultural debaterá o tema de um modo mais lúdico, sem minimizar a importância das abordagens. Teatro, música, dança, exposição de fotografias e apresentação de vídeos compõem algumas das atividades complementares da mostra.

Entre as áreas contempladas com mais recursos o ministro anunciou o aumento de recursos para os Agentes Comunitários de Saúde (ACS), Consultórios na Rua e ampliação das equipes do programa saúde da família. Essas medidas devem atingie 17.482 equipes em todo o Brasil e 3.965 municípios.

Além dos profissionais de saúde que podem compor as equipes atualmente (enfermeiro, psicólogo, assistente social, terapeuta ocupacional, médico, agente social, técnico ou auxiliar de enfermagem e técnico em saúde bucal), agora também poderão integrar os grupos um dentista, um profissional de educação física, e um arte-educador, de acordo com as necessidades do território. As portarias com essas definições deverão ser publicadas até o final do mês.