Home Cultura Chico César encara o retrocesso do Brasil em ‘O Amor é um Ato Revolucionário’. E está no ‘Hora do Rango’
Ação e reação

Chico César encara o retrocesso do Brasil em ‘O Amor é um Ato Revolucionário’. E está no ‘Hora do Rango’

É o nono disco de inéditas do cantor paraibano, convidado desta sexta-feira (18) no programa "Hora do Rango"
Publicado por Luciano Velleda, para a RBA
07:15
Compartilhar:   
JOSÉ DE HOLANDA/DIVULGAÇÃO

Segundo Chico César, o novo álbum é um comentário robusto de suas vivências político-sociais, no contexto do convulsionado momento do Brasil nos últimos anos

São Paulo — O paraibano Francisco César Gonçalves, mais conhecido como Chico César, é o convidado do programa Hora do Rango desta sexta-feira (18), a partir do meio-dia, na Rádio Brasil Atual. Nascido em Catolé do Rocha, interior da Paraíba, em 26 de janeiro de 1964, se formou em Jornalismo pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), e aos 21 anos foi morar na cidade de São Paulo, onde trabalhou como repórter e revisor de textos, ao mesmo tempo em que começou a compor.

Após uma turnê na Alemanha, em 1991, se empolgou com a repercussão e tomou coragem em deixar o jornalismo e se dedicar exclusivamente à música. Formou a banda Cuscuz Clã (que seria o nome de seu segundo álbum), e passou então a se apresentar na casa noturna paulistana Blen Blen Club.

Em 1995, Chico César lançou seu primeiro álbum, o acústico Aos Vivos, com participações de Lenine e Lanny Gordin. O sucesso foi estrondoso. No ano seguinte veio o segundo disco, Cuscuz Clã, consolidando o brilhante início de carreira. De lá pra cá, foram quase 25 anos e mais seis álbuns até chegar ao novo trabalho, lançado agora em 2019: O Amor É um Ato Revolucionário. É o nono álbum de inéditas de Chico César, numa trajetória que inclui discos ao vivo, DVDs, vinis e até livros, sendo um deles de poemas eróticos e outro um conto para crianças.

O novo disco é um comentário robusto de suas vivências político-sociais, no contexto do  convulsionado momento do Brasil nos últimos anos. Todas as 13 faixas, letra e música, são assinadas apenas por Chico César. O álbum tem como convidados a adolescente paraibana Agnes Nunes (com quem divide os vocais na música De Peito Aberto), a jovem cantora pernambucana Flaira Ferro (em Cruviana) e o guitarrista paulistano Luiz Carlini (na música que dá título ao álbum).

“Muitas canções foram imediatamente publicadas nas redes sociais em formato voz e violão assim que compostas, é o primeiro registro delas”, explica Chico César, justificando o nascimento de músicas como History, Pedrada, Like e Eu Quero Quebrar.

Nos shows do novo álbum, Chico César se apresenta acompanhado por Helinho Medeiros (teclados), Ana Karina Sebastião (baixo), Gledson Meira (bateria), Simone Sou (percussão), Sintia Piccin (sopros) e Richard Fermino (sopros).

Depois de ganhar, em 2018,  o Prêmio da Música Brasileira como melhor álbum pop com o disco Estado de Poesia – Ao Vivo, Chico César vem ao programa Hora do Rango apresentar as canções de O Amor É um Ato Revolucionário, relembrar momentos marcantes da carreira e, como não poderia faltar, analisar o conturbado momento político brasileiro.

O programa

Hora do Rango, apresentado por Colibri Vitta e também premiado pela APCA, recebe ao vivo, de segunda a sexta-feira, ao meio-dia, sempre um convidado diferente com algo de novo, inusitado ou histórico para dizer e cantar. Os melhores momentos da semana são compilados e reapresentados aos sábados e domingos, no mesmo horário.