Sem fim

Moradores de Eldorado do Sul voltam a sair de casa após subida do nível do Guaíba e do Jacuí

Pelo menos 60 pessoas tiveram de sair novamente de suas casas desde a noite deste domingo (23). Em maio, mais de 90% do município foi inundado

Mary Silva/RBS TV
Mary Silva/RBS TV
Ruas que nem foram limpas da enchente anterior voltam a ficar inundadas neste domingo

São Paulo – Pelo menos 60 pessoas precisaram sair novamente de casa em Eldorado do Sul, na Região Metropolitana de Porto Alegre, entre a noite de domingo (23) e a manhã desta segunda-feira (24). As informações são da Defesa Civil do município. As ruas dos bairros Sans Souci, Itaí e Sol Nascente voltaram a inundar após o nível do Lago Guaíba subir 23 centímetros em 11 horas.

O Rio Jacuí está em 4,63 metros acima. Acota de alerta é de 5 metros. E a de inundação, de 6 metros. A oscilação se dá pela chuva que atingiu a região no final de semana. E também do vento forte sobre as direções Sul e Sudeste, que represam a água.

Segundo a Defesa Civil, esses dois bairros são de risco. Por isso a população deve busca abrigo em um prédio público na cidade de Guaíba, onde funciona a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS). Embora este seja o mais seguro, há ainda um outro local para acolhimento no centro da cidade de Eldorado do Sul.

Município sob as águas em maio

Equipes da Defesa Civil têm circulado pela cidade em carros para auxiliar o resgate de pessoas. “A água vem e retorna. Não dá trégua para gente. Esse lugar aqui, Dom Feliciano e Antenor Pereira, é o que mais sofre. É por onde a água entra, mas a limpeza começou pelo Centro, fomos esquecidos. O que é que vai acontecer? [A água] vai acabar espalhando essa sujeira e levando para as rua limpas”, disse ao g1 RS o promotor de venda Marcelo Buenos.

No mês passado, mais de 90% do município foi inundado pelas águas do Rio Jacuí e desceram para o Guaíba. Mais de 40 mil habitantes tiveram que deixar suas casas. Aos poucos a população tenta retomar a vida no estado, apesar das dificuldades. Há entulho pelas ruas em diversas cidades atingidas.

A Defesa Civil do Rio Grande do Sul registrou 177 mortes em razão da catástrofe ambiental, marcada pelas fortes chuvas desde o final de abril. Há ainda 37 pessoas desaparecidas. Mais de 800 pessoas ficaram feridas durante as enchentes. E há mais de 10 mil ainda fora de suas casas.

Redação: Cida de Oliveira, com g1