interesses em jogo

STF adia para esta quinta julgamento de lei que instaurou a farra dos transgênicos

Aguardado há 15 anos pela sociedade civil, o julgamento da ação estava na pauta de hoje, mas deve ter início nesta quinta-feira

Reprodução
Sem estudos sobre os impactos à saúde e ao meio ambiente, os transgênicos tomaram conta da soja, do milho e do algodão no Brasil

São Paulo – O Supremo Tribunal Federal (STF) adiou para esta quinta-feira (4) o julgamento de ação que questiona a constitucionalidade de dispositivos da Lei de Biossegurança (Lei nº 11.105/2005). A Corte não conseguiu dar início à análise, que estava na pauta de hoje (3). O relator é o ministro Nunes Marques, indicado por Bolsonaro, simpatizante dos ruralistas e com decisões a favor da indústria de agrotóxicos.

Movida pelo então procurador-geral da República Cláudio Fonteles em 2005, a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 3.526 atende representação do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) e do Partido Verde (PV). Entre outras coisas, são questionados os plenos poderes conferidos pela Lei de Biossegurança à Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) para decidir, sozinha, sobre a liberação e fiscalização de organismos geneticamente modificados (OGM) – os transgênicos.

Vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), a CTNBio tornou-uma super comissão formada por doutores que, em sua maioria, aprovam com facilidade todos os pedidos apresentados pelas indústrias. Ao dispensar pesquisas suficientes e adequadas sobre os riscos à saúde e meio ambiente, atua mais como sócia das empresas do que como órgão público que deveria zelar pelos interesses da população.

Leia também

STF julga lei que impulsionou lucros dos transgênicos no Brasil

Este é o segundo julgamento de tema de interesse da população relativo a agrotóxicos e transgênicos no STF. Em fevereiro de 2020, o então presidente do STF, ministro Dias Toffoli, adiou a decisão da Corte sobre os incentivos tributários concedidos aos agrotóxicos, a chamada bolsa-veneno.

A justificativa de Toffoli foi a cerimônia de posse da ministra Cristina Peduzzi como presidenta do Tribunal Superior do Trabalho (TST), a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5.553, protocolada pelo Psol em 2016, segue sem previsão de volta à pauta.

As indústrias de agrotóxicos, que são praticamente as mesmas que desenvolvem os transgênicos, pagam em média apenas 3% de ICMS. E zero de IPI, Pis e Cofins na comercialização dos produtos que causam intoxicações e estão comprovadamente associados a diversas doenças graves. Especialmente diversos tipos de câncer, que se tornam mais frequentes com o aumento do uso desses produtos e oneram o SUS.

Redação: Cida de Oliveira