Devastador

Congresso vai votar MP que cria fundo de R$ 7 bi a ser gerido por Ricardo Salles

Segundo o Observatório do Clima, empresários autuados por crime ambiental poderão depositar 40% do valor da multa e ficar livre de acompanhar o projeto de recuperação que teriam de financiar

Arquivo pessoal
Salles foi condenado em primeira instância pelo Tribunal de Justiça de SP por beneficiar empresários ligados à Fiesp quando foi secretário estadual do Meio Ambiente na gestão Geraldo Alckmin

São Paulo – O Observatório do Clima divulgou nesta quinta-feira (5) nota alertando sobre o risco que representa a Medida Provisória (MP) 900, na pauta de votação do Plenário da Câmara: a criação de um mecanismo pelo qual o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, exercerá total e exclusivo controle sobre um fundo com potencial de abrigar bilhões, provenientes da conversão de multas ambientais. Para a coalizão de organizações ambientalistas, trata-se do “Fundão do Salles”.

Segundo nota técnica do Observatório, divulgada no final de fevereiro, se for aprovado, o fundo deverá ter pelo menos R$ 7,6 bilhões, mais do que o dobro do Fundo Amazônia, levando em conta o passivo total de multas do Ibama. Mas o valor pode ser bem maior, caso sejam somadas as multas aplicadas de 2019 para cá.

Conforme a nota, boa parte desse recurso poderá ser dada a fundo perdido a empresas, “numa inédita bolsa-empresário, com grande margem para uso político e corrupção”. E a outra parte poderá ser moeda de troca pelo apoio de prefeituras em ano eleitoral, sob pretexto de combate aos lixões.

“O dinheiro que originalmente deveria se destinar a ações de recuperação do meio ambiente, portanto, vai virar, ele sim, instrumento de barganha. E nas mãos de um ministro condenado por improbidade e suspeito de enriquecimento ilícito”, segue a nota.

Com a MP, em vez de vincular o dinheiro a projetos de recuperação que seria obrigado a acompanhar, o empresário autuado por crime ambiental tem a opção de depositar 40% do valor da multa no “Fundão do Salles” e ficar livre de compromissos. “Assim, o governo anistia os infratores ambientais sem exigir nada em troca, o que fere o artigo 225 da Constituição”, diz a nota.

Em resumo, é a desconstrução da chamada conversão indireta de multas, aprovada no governo Temer, cuja ideia era que empresas multadas pelo Ibama tivessem desconto de 60% no valor da autuação, caso financiassem e monitorassem projetos de recuperação ambiental previamente selecionados pelo órgão.

Projetos no total de R$ 1 bilhão, aprovados pelo Ibama, foram abortados por Jair Bolsonaro. O argumento: não se podia dar R$ 1 bilhão a “ONGs”.

Salles, Bolsonaro e Paulo Guedes estiveram na sede da Fiesp, em São Paulo, onde ministro do Meio Ambiente tem diversos amigos. (Foto: Twitter)

Improbidade administrativa

No final de 2018, Ricardo Salles foi condenado em primeira instância por improbidade administrativa. O juiz Fausto José Martins Seabra, da 3ª Vara de Fazenda Pública de São Paulo, entendeu que Salles, enquanto secretário do Meio Ambiente na gestão de Geraldo Alckmin (PSDB), adulterou mapas e a minuta de edital do plano de manejo da Área de Proteção Ambiental Várzea do Tietê para beneficiar empresários ligados à Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Por coincidência, o ministro esteve hoje (5) na sede da entidade patronal em São Paulo, na companhia de Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes.

MP-SP vai aprofundar investigações sobre o ministro do Meio Ambiente

Justiça de São Paulo determina quebra de sigilos do ministro Ricardo Salles

Ricardo Salles será investigado pelo MP
Trecho da Ação Civil Pública, aceita pela Justiça, segundo a qual “fotografias demonstram que “as alterações fraudulentas “incidem em áreas de empresas ou a elas contíguas”