Desmantelamento

Artigo publicado na ‘Nature’ pede pressão internacional contra agenda ambiental de Bolsonaro

Na maior revista científica do mundo, 1.239 cientistas alertam para os riscos que o planeta corre com o desmantelamento das políticas sócio-ambientais bem sucedidas desde 2005

Reprodução/Twitter
Proposta é de um esforço global para restaurar a governança ambiental no Brasil arranhada desde que Bolsonaro chegou ao poder

São Paulo – Principal revista científica internacional, a Nature publicou nesta segunda-feira (3) um artigo assinado ao todo por 1.239 cientistas de diversas instituições de pesquisa do Brasil e do exterior, entre eles Carlos Nobre e Paulo Artaxo. Os signatários destacam o fato de estar no país a maior parte da floresta Amazônica, o que é um elemento crítico para estabilizar o sistema climático da Terra e manter seus ecossistemas terrestres bem conservados, que armazenam imensas quantidades de carbono e 12% dos recursos hídricos globais. Que esses, mais os ecossistemas marinhos, abrigam 10% da biodiversidade do mundo, incluindo muitas espécies úteis para alimentação, medicamentos e construção. Além disso, a diversidade cultural do Brasil inclui mais de 300 grupos étnicos que preservam conhecimento ecológico indígena ancestral e historicamente têm prestado serviços essenciais para as sociedades.

Os pesquisadores destacam ainda que desde 2005, políticas de conservação bem-sucedidas tornaram o Brasil um exemplo global de governança ambiental, em especial com a expansão de Áreas Protegidas e demarcação de Terras Indígenas, o desenvolvimento de sistemas avançados de monitoramento para detectar a perda de vegetação e a intervenção nas cadeias de fornecimento de soja e carne bovina. Mas que agora, o governo do presidente Jair Bolsonaro está desmantelando as políticas socioambientais do país, comprometendo a governança de serviços ecossistêmicos de importância global.

Para reverter esta agenda destrutiva, eles sugerem medidas como o desenvolvimento de uma agroindústria sustentável, a promoção do uso estratégico de incentivos para expandir os sistemas de produção baseados na biodiversidade e a agricultura de baixo carbono, o fortalecimento dos sistemas públicos locais para o desenvolvimento agropecuário sustentável, o fortalecimento dos sistemas públicos locais de controle sobre o uso de agrotóxicos, o investimento em ciência, biotecnologia e inovação baseado na diversidade biológica nativa. Mas para isso, é necessária a pressão de parceiros comerciais internacionais, governos estaduais e municipais,membros do legislativo e cidadãos preocupados que pressionem o governo brasileiro “antes que a humanidade perca serviços críticos dos ecossistemas”.

Leia também

Últimas notícias