Home Ambiente Indígenas denunciam violência impulsionada por obras de hidrelétricas no Pará
Discurso legitimador

Indígenas denunciam violência impulsionada por obras de hidrelétricas no Pará

Mais de 50 indígenas do povo Munduruku, contestaram construção de hidrelétricas no rio Tapajós e mineração em terras indígenas, que veem sendo defendidas pelo presidente
Publicado por Clara Assunção
12:13
Compartilhar:   
TVT/Reprodução

"Não fizeram consulta, mas todo o projeto que é dentro do território (indígena) tem que haver consulta", critica povo Munduruku sobre hidrelétricas

São Paulo – Uma delegação de 50 lideranças do povo indígena Munduruku denunciou que o governo de Jair Bolsonaro quer retomar obras na bacia do rio Tapajós, na região do Pará, que devem prejudicar toda a comunidade indígena dessa área. O alerta dos povos originários foi feito nesta quinta-feira (21), durante coletiva de imprensa na Maloca, na Universidade de Brasilia (UNB).

Em entrevista à TVT, todos se queixaram da construção de hidrelétricas que já são, até agora, pelo menos quatro: Colider, Sinop, São Manoel e Teles Pires, de acordo comAlessandra, guerreira do médio Tapajós. “Eles estão tentando, mas a gente não vai deixar, porque a gente está lá e vai lutar sim, porque não fizeram consulta, mas todo o projeto que é dentro do território (indígena) tem que haver consulta”, explica Alessandra à repórter Camila Piacesi, do Seu Jornal.

“Não adianta fazer um projeto em cima das nossas cabeças, porque a gente vai brigar. Isso aqui é um povo só do Tapajós, todo o povo está na luta”, destaca sobre a frente de atuação contra as hidrelétricas que contam com o apoio do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), os atingidos pela mineração, e outros parceiros pelo meio ambiente.

De acordo com o povo Munduruku, já é notável, por conta dessas obras, a mortandade dos peixes. Mas, além dos problemas ambientais e sociais decorrentes das hidrelétricas, os indígenas também têm enfrentado no dia a dia os garimpos legais e ilegais, incentivados por Bolsonaro e que, além da degradar a natureza, contaminam os rios com mercúrio, causando doenças.

Assista à reportagem