Home Ambiente Curta sobre produção agroecológica do MST é finalista em prêmio da ONU
Sem agrotóxicos

Curta sobre produção agroecológica do MST é finalista em prêmio da ONU

Competição de filmes sobre sustentabilidade das Nações Unidas premia iniciativas pela biodiversidade, contra a mudança climática e pela garantia de educação de qualidade
Publicado por Cida de Oliveira, da RBA
20:04
Compartilhar:   
Reprodução

Produção de alimentos, sem uma gota veneno, no Assentamento Contestado, no Paraná

São Paulo – O Concurso Global de Vídeos da Juventude sobre Mudanças Climáticas – TVEBioMovies 2019 divulgou hoje (20) os seus finalistas. Entre eles, está o vídeo brasileiro O que é Agroecologia, de Rafael Forsetto e Kiane Assis.  Em apenas três minutos, Forsetto e Kiane conseguem mostrar como integrantes do assentamento Contestado, na zona rural de Lapa, no Paraná, contribuem para combater a mudança climática, manter a biodiversidade e garantir uma educação de qualidade.

No assentamento ligado ao Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), produção de alimentos sem agrotóxicos, por meio de sistemas agrícolas que utilizam todos os recursos naturais sem desmatar, colocam comida saudável na mesa sem contaminar a terra, a água e a saúde de quem planta e de quem come.

A educação de qualidade é respaldada pela Escola Latino Americana de Agroecologia. Iniciativa da Via Campesina, recebe estudantes da América Latina e Caribe para a construção de conhecimento na área disseminar a agroecologia. Em parceria com o Instituto Federal do Paraná (IFPR), a escola criada em 2005 já formou três turmas de tecnólogos.

Agora que está entre os finalistas, O que é Agroecologia passa pelo crivo do júri popular. Cada visualização é um voto. Se sair vencedor, Forsetto, representando a equipe que produziu o curta, participará da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP 25), em dezembro, no Chile. E ao ser apresentado para representantes de diversos países, o filme mostrará ao mundo que o Brasil tem alternativas para o desmatamento e para o uso de venenos na produção agrícola. E para o próprio modelo de produção, que sustenta o desmatamento da Amazônia.

Assista ao documentário e participe: