Home Ambiente Ambientalistas exigem demissão de Ricardo Salles para debelar crise
PAUTA AMBIENTAL

Ambientalistas exigem demissão de Ricardo Salles para debelar crise

Saída do ministro está entre as medidas mais urgentes para o país retomar a defesa do meio ambiente. Documento foi entregue ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia
Publicado por Helder Lima, da RBA
18:52
Compartilhar:   
reprodução

Reunião com Maia: “A soberania nacional é princípio inalienável e dele não abrimos mão"

São Paulo – Carta entregue hoje (28) por ex-ministros do Meio Ambiente e entidades da sociedade civil ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), apresenta uma série de medidas para combater a crise ambiental que se instalou no país. Todos atribuem o clima negativo ao discurso do governo de Jair Bolsonaro em defesa dos interesses dos ruralistas. E à postura “fiel” de seu ministro ao Meio Ambiente, Ricardo Salles.

O documento relaciona uma série de medidas para recolocar a defesa do meio ambiente no centro das políticas do governo e da pauta do Legislativo, e destaca também ações urgentes para estancar a crise, entre elas, a exoneração imediata do ministro Salles, “que comprova sua incapacidade em gerir políticas diretamente relacionadas ao futuro do nosso país e das próximas gerações”.

A carta afirma que o governo Bolsonaro tem atuado de forma isolada contra o meio ambiente, quebrando a tradição de seguir políticas ambientais, que marcaram os governos no país nas últimas quatro décadas.

Diz ainda que “sem anunciar qualquer medida efetiva para impedir a contaminação do ar, a deterioração dos solos e a destruição das florestas e dos povos que nelas habitam, das matas e cursos de água, busca emular o nosso justo patriotismo para mascarar o fracasso de sua gestão. Na contramão do que exige nossa Constituição, desconsidera dados científicos e chega a propor a substituição do renomado Inpe por mineradores e grupos privados nas atividades de monitoramento”.

“A soberania nacional é princípio inalienável e dele não abrimos mão. Não deve ser discurso vazio e hipócrita a justificar a incompetência inoperância de um governo que ignora magnitude dos impactos ambiental e social do desmatamento em curso. Um chefe de Estado que usa discurso da soberania para angariar apoio mas na prática se subordina interesses externos”, afirma ainda o documento entregue a Maia.

A sociedade civil esteve representada na reunião desta tarde na Câmara pela bancada de oposição, as frentes parlamentares ambientalista, indígena e quilombola, além de um conjunto amplo de organizações da sociedade civil, redes e movimentos sociais.

Estão entre as sugestões está o fortalecimento de órgãos como o Ibama, o ICMBio, o Inpe e o Serviço Florestal Brasileiro (SFB). O coletivo defende ainda o restabelecimento do Fundo Amazônia e do Fundo Clima, do programa de conversão de multas ambientais do Ibama e a continuidade dos planos de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia (PPCDAm) e do Cerrado (PPCerrado).

No Congresso, a reivindicação é pela retirada de pauta de projetos que enfraquecem o Código Florestal e o Licenciamento Ambiental, sobre Agrotóxicos (Lei do Veneno), Armas e Caça e da PEC que abre as Terras Indígenas ao agronegócio. O grupo também pede que sejam aprovados os projetos do desmatamento ilegal zero, da Política Nacional de Redução de Agrotóxicos e da Política Nacional de Povos e Comunidades Tradicionais, entre outros.

Além dos partidos de oposição e das frentes parlamentares, fazem parte da articulação a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), a Central Única dos Trabalhadores (CUT), o Movimento dos Trabalhadores  Rurais Sem Terra (MST), a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), a Associação Brasileira de Antropologia (ABA), a União Nacional dos Estudantes (UNE), a Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (FASE), Instituto Socioambiental (ISA), WWF-Brasil, Greenpeace, Instituto Raoni, SOS Mata Atlântica, entre várias outros.