Home Ambiente Ibama exonera funcionário que multou Bolsonaro por pesca em área protegida
Retaliação?

Ibama exonera funcionário que multou Bolsonaro por pesca em área protegida

Multa já havia sido anulada em dezembro pela superintendência do órgão no Rio de Janeiro, após a vitória eleitoral de Bolsonaro
Publicado por Redação RBA
17:59
Compartilhar:   
divulgação
bolsonaro pescando.jpg

Bolsonaro foi flagrado pescando na Estação Ecológica de Tamoios (Esec), uma área protegida em Angra dos Reis

São Paulo — José Olímpio Augusto Morelli, o servidor do Ibama que em 2012 multou o presidente Jair Bolsonaro (PSL), foi exonerado nesta quinta-feira (28) pelo órgão ambiental do governo federal. A multa, no valor de R$ 10 mil, foi aplicada porque o então deputado federal foi flagrado pescando na Estação Ecológica de Tamoios (Esec), uma área protegida em Angra dos Reis (RJ).  

Funcionário concursado, Morelli estava desde 2017 no cargo comissionado de chefe do Centro de Operações Aéreas do Ibama, subordinado à Diretoria de Proteção Ambiental. Há outros oito servidores no mesmo nível hierárquico dessa diretoria, mas até o momento Morelli foi o único exonerado pelo governo de Bolsonaro.

Na época da multa, em 25 de janeiro de 2012, Morelli fez o auto de infração e o relatório do flagrante de Bolsonaro. A situação irritou o atual presidente, que dois meses depois fez um pronunciamento duro contra o servidor no plenário da Câmara dos Deputados. 

Fui abordado por um barco do Ibama. A primeira coisa que falou pra mim foi, que estava com duas pessoas da região, é: ‘sai!’. Esse cidadão aqui, repito o nome dele, José Augusto Morelli, falou: ‘Sai! Aqui, ninguém pode pescar, seja deputado ou não seja, porque o decreto que vocês votam tem de ser respeitado’. Eu fui obrigado a responder no mesmo tom, adjetivando o senhor Morelli e dizendo que não votamos o decreto. Eu vou pescar no Carnaval lá. E não venham com ignorância porque o bicho vai pegar”, disse Bolsonaro na ocasião. 

Em dezembro, após a vitória de Bolsonaro na eleição presidencial, a multa foi anulada pela superintendência do órgão no Rio de Janeiro. Durante a campanha, Bolsonaro criticou com frequência o que define como uma “indústria da multa” do Ibama.