Home Ambiente Crime da Vale em Brumadinho faz dois meses, e descaso continua
tragédias

Crime da Vale em Brumadinho faz dois meses, e descaso continua

Prejuízos à saúde, contaminação da água e falta de indenização ainda são queixas dos moradores dos municípios afetados pela lama da mineradora
Publicado por Redação RBA
13:45
Compartilhar:   
Ricardo Stuckert
2 meses crime em Brumadinho

Promotor, que investigação o crime, acusa consultoria alemã TÜV SÜD de ser usada pela Vale para dificultar fiscalização

São Paulo – Dois meses após ocrime da Vale em Brumadinho (MG), nesta segunda-feira (25), a situação ainda é calamitosa de acordo com reportagem da Rádio Brasil Atual. O “mar de lama” de rejeitos tóxicos que matou mais de 200 pessoas soterradas, além de provocar o desaparecimento de outras 93 pessoas que seguem sendo procuradas pelo Corpo de Bombeiros, impôs à população de ao menos 19 municípios consequências que prejudicam a saúde e impedem sua permanência nos locais onde moram.

O funcionário público Heleno Rocha Damasceno, que reside no distrito do Parque da Cachoeira, vive a 50 metros da lama da Vale com sua esposa e mais três filhos. Diante dos riscos em continuar vivendo na região, alega ter acordado com a mineradora uma nova residência para a família até que, perto da mudança, a Vale afirmou que “as coisas já estavam voltando ao normal”.

“Só na minha rua foram quase 20 casas embora. Tem água na torneira, mas a gente não pode beber, meus filhos não podem pegar uma fruta no quintal por causa de contaminação. Minhas coisas estão embaladas desde antes do carnaval para eu fazer a mudança e, até hoje, nada”, afirma o funcionário público à repórter Beatriz Drague Ramos.

A Vale também é acusada pelo promotor Willian Garcia Pinto, coordenador do Núcleo Criminal do Ministério Público em Minas Gerais, responsável por apurar o crime ambiental, de que a consultoria alemã TÜV SÜD tem sido usada pela mineradora para dificultar a fiscalização sobre a segurança de barragens no Brasil. À reportagem a mineradora afirmou que realiza doações voluntárias e indenizações emergenciais e diz esperar que os auditores tenham responsabilidade técnica, independência e autonomia na prestação de seus serviços.

Ouça a reportagem