Improbidade

Justiça condena Ricardo Salles por alterar mapas de área de proteção ambiental

O futuro ministro do Meio Ambiente, que adulterou também a minuta de decreto, perde os direitos políticos por três anos e terá de pagar multa equivalente a 10 vezes seu salário no cargo de secretário

Ricardo Salles condenado

Salles adulterou mapas de zoneamento de área de proteção ambiental para favorecer empresários

São Paulo – O juiz Fausto José Martins Seabra, da 3ª Vara de Fazenda Pública do Tribunal de Justiça de São Paulo, condenou hoje (19) por improbidade o futuro ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.  Ao julgar procedente a ação do Ministério Público do Estado de São Paulo, o magistrado considerou que em 2016 Salles modificou os mapas de zoneamento e a minuta de instrumento normativo (decreto) que institui o plano de manejo da Área de Proteção Ambiental (APA) Várzea do Tietê, em fase de elaboração e discussão. 

Os planos de manejo têm a finalidade de proteger a diversidade biológica, assegurar o uso sustentável dos recursos naturais e disciplinar o processo de ocupação para evitar impactos adversos sobre a população. Para isso, subdivide o território em zonas conforme as especificidades de suas necessidades de recuperação e preservação ambiental, definindo interferências que passam a ser permitidas e proibidas. São os mapas dessas zonas que foram alterados. 

O mais grave, segundo os promotores, foram as modificações no texto do decreto governamental que virá a instituir o plano de manejo da unidade de conservação. Nele estão as diretrizes, normas e recomendações para que cada uma das áreas definidas no zoneamento recebam ações específicas para proteger a diversidade biológica, disciplinar o processo de ocupação e assegurar a sustentabilidade do uso dos recursos naturais. Isso significa a regularização de atividades em curso, além de proibição e permissão de tantas outras que ainda não se instalaram em áreas inseridas na APA.

Segundo o MP paulista, o objetivo da fraude era beneficiar setores empresariais, em especial empresas de mineração filiadas à Fiesp, que poderiam vir a ser afetadas pelas modificações introduzidas pelo plano de manejo. E funcionários das áreas técnicas envolvidas, contrários às alterações, foram perseguidos pelo então secretário.

Na sentença, Seabra anula todo o processo de construção do plano de manejo a partir das modificações que sendo incorporadas.

A Área de Proteção Ambiental da Várzea do Tietê abrange os municípios de São Paulo, Guarulhos, Itaquaquecetuba, Poá, Suzano, Mogi das Cruzes, Biritiba Mirim, Salesópolis, Osasco, Carapicuíba, Barueri e Santana de Paranaíba e é um dos principais instrumentos de preservação ambiental da região.

Além da condenação por improbidade pelas alterações, o escolhido pelo presidente eleito Jair Bolsonaro para chefiar a pasta do Meio Ambiente foi condenado também à suspensão dos direitos políticos por três anos; o pagamento de multa civil em valor equivalente a dez vezes a remuneração mensal recebida no cargo de secretário; à proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário.

A condenação de Salles envolvendo gestão de área de proteção ambiental guarda semelhanças com a então candidata ao Ministério do Trabalho de Michel Temer Cristiane Brasil. Condenada em ação trabalhista, ela foi impedida de assumir em fevereiro após uma disputa judicial.

condenação ricardo sallles.jpg

 

Leia também

Últimas notícias