Home Ambiente Conflitos e cenários da região amazônica são temas de debate na USP
Diálogos

Conflitos e cenários da região amazônica são temas de debate na USP

Evento começa nesta segunda (22), com exposição de trabalhados de pesquisa voltados à tema ligados à região ainda marcada por agenda de desenvolvimento de uso intensivo dos recursos naturais
Publicado por Redação RBA
14:25
Compartilhar:   
Paulo Santos Amazônia Sob Pressão/Reprodução
Seminário USP

Em entrevista à Rádio Brasil Atual, professores destacaram que situação da Amazônia pode ser agravada com Bolsonaro

São Paulo – Nas próximas segunda e terça (22 e 23), a Universidade de São Paulo (USP) realizará o seminário Amazônias Contemporâneas: Conflitos e Perspectivas, em parceria com a Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) e as associadas Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) e o Instituto Federal do Pará (IFPA). Ao todo, serão apresentados 21 trabalhos em que são avaliados os impactos do desenvolvimento ocasionados por atividades como mineração, produção de soja e demais commodities que envolvem a agropecuária e o uso múltiplo da água.

Aos jornalistas Marilu Cabañas e Glauco Faria, da Rádio Brasil Atual, os professores Rogério Almeida (Ufopa), Abrahão Mascarenhas e Thula Esteves (Unifesspa) destacaram que as atividades respondem às principais marcas encontradas no cenário contemporâneo da região, que historicamente tem como “frente de expansão o fomento ao desmatamento, a violência, as chacinas e o trabalho escravo”, conforme descreve Almeida que vê risco de agravamento da situação com a eventual eleição de  Jair Bolsonaro como presidente da República.

“A gente contribui muito para a riqueza, mas fazendo um contraponto com os indicadores sociais, são sempre os piores possíveis, em saúde, educação, não existe saneamento”, critica o professor fazendo referência à concentração intensa de serviços públicos à população de determinadas regiões da Amazônia e à ausência de atendimento em outras.

A programação completa do seminário pode ser conferida aqui

Ouça a entrevista: