Você está aqui: Página Inicial / Ambiente / 2015 / 11 / Movimentos sociais reforçam resistência contra instalação de usina nuclear no Ceará

santa quitéria

Movimentos sociais reforçam resistência contra instalação de usina nuclear no Ceará

Levantamento do Núcleo Tramas aponta que pelo menos 156 localidades poderão ser expostas aos riscos de desequilíbrio hídrico e radioatividade
por Marcela Belchior publicado 21/11/2015 15h34
Levantamento do Núcleo Tramas aponta que pelo menos 156 localidades poderão ser expostas aos riscos de desequilíbrio hídrico e radioatividade
reprodução
pedra.jpg

Exploração do urânio exporia população a riscos de contaminação radioativa

AditalEnquanto 24 carros-pipa são destinados às necessidades mensais de todas as famílias que vivem na comunidade Riacho das Pedras, em Santa Quitéria, no Ceará, o equivalente a 115 desses caminhões seriam dirigidos a cada hora somente para um empreendimento de exploração mineradora no local. Estamos falando do Consórcio Santa Quitéria, um projeto que quer instalar um complexo industrial dedicado à exploração mineral e à produção de energia nuclear. Há poucos dias, setores dos movimentos sociais, da sociedade civil organizada e lideranças comunitárias estiveram reunidos para discutirem a questão, durante a 2ª Jornada Antinuclear do Ceará, no próprio município atingido.

Promovida pela Articulação Antinuclear do Ceará (Aace), em parceria com movimentos sociais, pesquisadores, entidades e organizações não governamentais, comunidades da região e com a Articulação Antinuclear Brasileira, o evento trouxe como tema "A defesa da vida e a resistência antinuclear no Brasil”. Segundo o biólogo Rafael Dias de Melo, também conhecido como Potiguar, que acompanha as lutas populares em torno da questão, a articulação da resistência inicia uma nova fase, depois que o Estudo de Impacto Ambiental (EIA/Rima) para a instalação do complexo nuclear foi apresentado em junho deste ano pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), sem considerar as denúncias da população.

"Um dos objetivos é retomar a força desse debate, que havia tido um pico no momento das audiências públicas do Ibama, mas que, no processo de licenciamento ambiental, esse debate havia arrefecido um pouco. Retomamos o diálogo principalmente com as comunidades do entorno”, indica Potiguar, que é mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e membro do Núcleo Tramas - Trabalho, Meio Ambiente e Saúde, também da UFC.

Segundo o pesquisador, duas galerias já foram abertas na localidade, de onde se pode extrair urânio, com alto teor de fosfato. Desde então, os moradores dizem que não têm acesso a nenhuma informação, com exceção das que chegam por meio dos movimentos sociais. "A gente vai constatando uma grande negligência. Os moradores relatam que inalam poeira e temos também a insegurança hídrica”, afirma Potiguar. Levantamento do Núcleo Tramas aponta que pelo menos 156 localidades poderão ser expostas aos riscos de desequilíbrio hídrico e radioatividade, enquanto estudos das empresas minimizam esse número para "apenas” 16 comunidades.

O Consórcio Santa Quitéria é formado pela empresa privada Grupo Galvani e pela estatal Indústrias Nucleares do Brasil (INB). A primeira tem interesse na extração de fosfato para a produção de fertilizantes químicos e ração animal, destinados ao agronegócio; já a INB é responsável pela mineração do urânio, matéria-prima para geração de energia nuclear.

A reserva de urânio e fosfato de Itataia, em Santa Quitéria, foi descoberta em junho de 1976 e sua viabilidade constatada 10 anos depois. Essa jazida de urânio é a última prospectada para o país e, atualmente, encontra-se em fase de licenciamento ambiental pelo Ibama, sem data para ser liberado. Ainda assim, o Consórcio já tem planos traçados, pretendendo explorar a futura mina a partir de janeiro de 2018, com investimento em torno de R$ 850 milhões.

De acordo com a Aace, desde 2010, as comunidades do entorno da mina, movimentos sociais, entidades não governamentais e pesquisadores da universidade têm se organizado para discutirem o projeto, sobretudo os impactos socioambientais da chegada de um grande empreendimento na região, constituída de comunidades e assentamentos rurais com atividade agrícola. A Articulação alerta que os riscos relacionados à exploração de urânio radioativo incluem a contaminação do solo, do ar e da água, além do desenvolvimento de doenças, como o câncer, causadas pela exposição à radioatividade.

"Essa mina de incertezas e riscos à saúde humana quer nos conduzir às mãos de um consórcio, formado por uma estatal e uma empresa privada, cujas ações (60%), pertencem a um grupo norueguês. Na Noruega, entretanto, não se admite a matriz nuclear”, observa Talita Furtado, advogada da Rede Nacional de Advogadas e Advogados Populares (Renap), em artigo publicado na imprensa. "Nesse cenário, o Estado funciona também como mão amiga para a empresa mineradora: mesmo em tempos de crise sistêmica, garante a infraestrutura para a obra – adutora, linhas de transmissão de energia e escoamento da produção”, destaca a advogada.

De acordo com Talita, alega-se que o projeto vai gerar empregos. Entretanto, nos 20 anos de operação da jazida, seriam apenas 515 funcionários diretos e outros 120 terceirizados. "Qual a segurança e qualidade de vida desses trabalhadores?”, indaga a advogada. "Que desenvolvimento é esse? Restam-nos insistir em outras mãos: repletas de vontade para rejeitar o projeto de mineração de urânio em Santa Quitéria, e que afirmem que não aceitaremos os riscos e a insegurança da iniciativa”, enfatiza a ativista.

registrado em: ,