Home Ambiente Moradores de Guarulhos, em São Paulo, enfrentam rodízio de água há três semanas
sistema cantareira

Moradores de Guarulhos, em São Paulo, enfrentam rodízio de água há três semanas

Sabesp informa que cidade está sendo punida por não reduzir consumo voluntariamente. Prefeitura lamenta decisão e tenta atenuar impacto da medida
Publicado por Redação RBA
11:48
Compartilhar:   
Marcelo Palmeira/Folhapress
rac água guarulhos.jpg

Em fevereiro, 250 mil moradores da cidade de Guarulhos já sofriam com a falta de água

São Paulo – O rodízio de água no município de Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo, já afeta cerca de um milhão de moradores há quase três semanas. O Sistema Cantareira, que nesta terça (18) registrava apenas 14,9% da sua capacidade, fornece 65% da água que chega àquele município. Com a escassez, moradores enfrentam a alternância do fornecimento – dia sim, outro, não – mas há relatos de falta por até dois dias consecutivos.

Desde janeiro Guarulhos vivia um déficit de 10% do abastecimento em relação à sua demanda diária. Em fevereiro, 250 mil moradores já sofriam com a falta d’água. Agora, com um déficit aumentado para 25% da demanda, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) instituiu o rodízio.

A Sabesp alega que uma redução de 15% de captação junto ao Sistema Cantareira foi determinada pela Agência Nacional de Águas, e a redução da distribuição teria começado por Guarulhos como forma de punição, porque a cidade não teria atendido à solicitação de economizar 15% do recurso.

A justificativa é rechaçada por Marcos Aurélio Carvalho, diretor do Departamento de Manutenção e Operação do ServiçoAutônomo de Água e Esgotode Guarulhos(Saae), segundo o qual o município está fazendo sua parte e economizando água desde o início do ano, quando começou a crise no sistema Cantareira.

Na semana passada o prefeito de Guarulhos, Sebastião Almeida (PT), informou ter sido comunicado por e-mail, com 48 horas de antecedência, sobre o corte. “Nós entendemos que tem de reduzir o consumo do Sistema Cantareira, mas esse volume poderia ser recomposto com os reservatórios do Alto Tietê, que não sofrem com desabastecimento. Além disso, é discriminatório que apenas Guarulhos passe pelo racionamento. Por que? Já sofremos déficit há muito tempo.”

Assista à reportagem da TVT: