Você está aqui: Página Inicial / Ambiente / 2009 / 06 / Supermercados suspendem compra de carne de frigoríficos acusados de desmatamento na Amazônia

Supermercados suspendem compra de carne de frigoríficos acusados de desmatamento na Amazônia

por Flávia Albuquerque publicado 15/06/2009 17h26, última modificação 15/06/2009 17h27

São Paulo - Três redes de supermercados de âmbito nacional - Pão de Açúcar, Carrefour e Wal-Mart - decidiram suspender, desde a semana passada, a compra de carne de onze frigoríficos localizados em áreas apontadas como de desmatamento na região amazônica. Segundo nota conjunta, os três grupos repudiam atos contrários à lei e que causem danos ao meio ambiente.

“Como medida adicional, as três redes solicitarão, ainda, um plano de auditoria independente e de reconhecimento internacional que assegure que os produtos que comercializam não são procedentes de áreas de devastação da Amazônia”, informa o comunicado conjunto das três redes.

As três empresas informam que não "adquirem mercadorias que não foram inspecionadas e liberadas pelo Serviço de Inspeção Federal [S.I.F.], órgão do Ministério da Agricultura, e que não estejam acompanhadas da respectiva Guia de Trânsito Animal [G.T.A.] de validade e arquivada nas Indústrias Fornecedoras de Carne Bovina”, informa a nota.

Os três varejistas, além de outras 68 empresas revendedoras de derivados do boi e fabricantes que utilizam o boi como matéria-prima para seus produtos, foram notificados pelo Ministério Público Federal (MPF) no Pará e alertados a evitarem a venda de produtos que tenham origem nas áreas apontadas pelo Greenpeace em seu estudo A Farra do Boi na Amazônia, divulgado há duas semanas.

Segundo a assessoria de imprensa do MPF, as notificações fazem parte das ações realizadas para “desmanchar a cadeia produtiva que lucra com a devastação ambiental”. O MPF informou ainda que foram propostas 21 ações que pedem o pagamento de R$ 2,1 bilhões em indenizações por danos ambientais à sociedade brasileira.

Ao mesmo tempo a International Finance Corporation (IFC), ligada ao Banco Mundial, anunciou que cortou o financiamento de R$ 90 milhões ao grupo Bertin, o maior frigorífico do país e apontado como um dos responsáveis por ações que contribuem para a devastação na Amazônia.

Entretanto, segundo informações da porta-voz da IFC no Brasil, Karina Manasseh, o acordo para suspender a parceria foi firmado na primeira semana de maio, sem nenhuma influência do relatório do Greenpeace. A divulgação só aconteceu na semana passada porque foi nesse período que a diretoria da IFC foi comunicada sobre o fim da parceria.

“A IFC está comprometida com a sustentabilidade no setor de carne na região e vai continuar atuando junto a um grupo diverso de partes interessadas a fim de desenvolver incentivos de mercado visando a melhoria de padrões sociais e ambientais e o auxílio de soluções baseadas em mercado para responder aos desafios do setor. A IFC continua comprometida em promover a sustentabilidade no setor de carne bovina do Brasil e continuará a trabalhar com o Grupo de Trabalho da Pecuária”, afirmou Karina Manasseh.

Fonte: Agência Brasil

registrado em: