Você está aqui: Página Inicial / Ambiente / 2009 / 06 / Lula veta um artigo da "MP da grilagem"

Lula veta um artigo da "MP da grilagem"

Sanção da Medida Provisória 458 é publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira
por Carolina Pimentel e Danilo Macedo publicado 26/06/2009 11h30, última modificação 26/06/2009 11h31
Sanção da Medida Provisória 458 é publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira

Brasília - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vetou na quinta (25) a transferência de terras da União na Amazônia para empresas e pessoas que exploram indiretamente a área ou que tenham imóvel rural em outra região do país.

A transferência estava prevista no Artigo 7º do projeto que converteu em lei a Medida Provisória 458, que trata da regularização de áreas públicas na Região Amazônica. A sanção presidencial foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta (26).

O veto foi recomendado pelos ministérios da Justiça, Fazenda, do Planejamento, Desenvolvimento Agrário e Meio Ambiente, sob o argumento de que não atende ao objetivo da MP, que é de legalizar a situação de pequenos e médios agricultores que dependem financeiramente da exploração da área. 

O artigo vetado não fazia parte do texto original da MP, editada pelo Executivo. Foi incluído pelos parlamentares durante a tramitação da medida no Congresso Nacional.

“Não obstante a motivação que embasou esta ampliação, não é possível prever seus impactos para o desenvolvimento do processo de regularização fundiária, uma vez que não há dados que permitam aferir a quantidade e os limites das áreas ocupadas que se enquadram nessa situação”, diz a mensagem de sanção com as razões do veto.

O presidente vetou ainda parte do Artigo 8º, que perdeu o sentido em função do veto ao Artigo 7º.

De acordo com a nova lei, terá direito a receber a terra quem comprovar que estava na área antes de 1º de dezembro de 2004. As áreas com até 100 hectares serão doadas; as de médio porte, com até 400 hectares, serão vendidas por valor simbólico; e as de no máximo 1,5 mil hectares serão vendidas de acordo com o preço de mercado.

Fonte: Agência Brasil

registrado em: